A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Junho de 2018

07/02/2018 09:08

Somar e subtrair, matar e fugir

Por Pedro Panhoca (*)

Livros-jogos são espécies de RPG simplificados. Seu consumidor não precisa se preocupar em gastar rios de dinheiro com extensos (e às vezes confusos) manuais de regras, reunir - e manter reunidos - um grupo de entusiasmados jogadores ou reservar um espaço adequado para comportar o grupo todo. Eles têm a vantagem de abranger os “jogadores solitários”, os que estão longe de seus grupos ou os que apenas querem aventura e ação o mais rápido possível.

Nada substitui a interação humana. Graças a ela o homem foi capaz de inúmeras conquistas, e no RPG não é diferente. Mas como um leitor-jogador pode triunfar sem um grupo que o auxilia? Como um livro-jogo pode ser considerado um RPG se não há interação coletiva em busca de um objetivo em comum? Nossos aliados podem estar onde sempre estiveram: dentro de nós mesmos.

O livro-jogo é o próprio material e o próprio “narrador” da aventura, apelando direta e constantemente ao leitor. Durante o escolher das ações, o protagonista (controlado pelo leitor) do enredo avança e retrocede nas páginas desse livro interativo. Abrir a porta da direita ou da esquerda? Vestir essa estranha armadura? Será que aquela estátua ganhará vida se eu encostar nela? E se houver uma armadilha naquilo ali? Nem sempre as escolhas são óbvias ao personagem principal.

A maior amiga do leitor-jogador é a língua portuguesa, é claro. Sem o idioma o código é indecifrável e a comunicação livro-leitor simplesmente é nula. Com a prática de leitura, o leitor-jogador “entra” mais fácil no ritmo de suspense e de dinamicidade que a narrativa propõe, sentindo realmente ser parte daquilo. Mas nem só de leitura e emoção vive um livro-jogo.

Porém, livros-jogos estimulam o leitor a recorrer constantemente a uma outra grande parceira: a matemática. Mesmo que muitas vezes os números só significam anotações para que o leitor mapeie a aventura e não se perca no enredo, pequenos cálculos, enigmas e situações-problema são bons macetes inseridos para evitar aquela “espiadinha” na escolha a qual ele não optou. Por exemplo: “você possui uma chave para abrir a arca do tesouro? Se sim, vá para a página 47. Se não, você fracassou em sua missão e sua aventura termina aqui”. Um jogador malandro diria que sim, e mesmo não tendo encontrado a tal da chave na aventura de fato triunfaria injustamente, acabando com a graça do enredo. Mas, pensando nisso, um sagaz autor faria o seguinte: “você possui uma chave para abrir a arca do tesouro? Se sim, multiplique por 3 o número nela inscrito (um jogador experiente sempre anota em sua ficha de ocorrências todos os detalhes do que carrega consigo) e subtraia-o por 12. Essa é a referência que você deve ir. Se não, você fracassou em sua missão e sua aventura termina aqui”. Ou melhor ainda: a chave quebrou-se no caminho. Então, “se você possui uma chave quebrada para abrir a arca do tesouro nela você percebe os inscritos 4 16 36. Está faltando o próximo número dessa sequência. Se souber qual é, vá para a sua referência. Caso contrário, sua aventura termina aqui”. Se o leitor perceber que é uma sequência de número pares elevados ao quadrado (2, 4 e 6, ou seja, 22, 42 e 62, respectivamente) ele rapidamente imaginará o número 8 como o próximo, que elevado à 2ª potência, seria igual a 64 (8x8). Pronto! A referência que faltava na chave é 64! Agora, o que a arca nos oferece é uma outra história...

Esse duplo estímulo só tende a estimular o jovem leitor. Portanto, livros-jogos ainda são boas ferramentas para se trabalhar com múltiplas leituras, reflexão sobre escolhas, identidade e também com operações e enigmas. Quem ainda acha que livro-jogo é coisa do passado e que é mera literatura de massa, provavelmente não conseguiu completar sua missão.

(*) Pedro Panhoca da Silva é mestrando em Literatura do programa de Pós-Graduação em Letras da UNESP – campus de Assis. Atualmente é professor de Leitura e Produção de Textos da Fundação Hermínio Ometto (UNIARARAS).

A corda arrebenta para todos
Ao pensar na África, geralmente formamos imagens com exuberância de recursos naturais. Falta de água nos remeteria aos desertos daquele continente, e...
Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions