A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

30/01/2017 14:32

STF – o inesperado não autoriza a exceção

Por Floriano de Azevedo Marques Neto (*)

Não fosse já a Lava Jato fonte suficiente de perplexidade, o inesperado resolveu nos visitar. A morte do Ministro Teori Zavascki abriu a discussão sobre quem deve assumir a relatoria dos processos da Lava Jato em tramitação pelo STF. Todo brasileiro, além de técnico da seleção, é hoje um jurista.

O assunto tomou redes sociais, rodas de amigos. Virou assunto de elevador.
No Estado de Direito é vedado o juízo de exceção. O poder do Estado julgar não pode ser entregue a um juiz escolhido a dedo. Para evitar isso criou-se a figura da competência do cargo, independente da pessoa que o ocupa.

Estas premissas estão presentes no Regimento Interno (RI) do STF. A regra geral está no art. 38, IV, letra a: os processos a cargo de ministro que falece ou se aposenta passam para o novo ministro indicado para aquela vaga. Portanto, os milhares de processos conduzidos pelo ministro Teori serão assumidos pelo sucessor a ser nomeado. Inclusive aqueles (ações penais, inquéritos, delações) da Lava Jato. Surgem então duas polêmicas e uma crítica.

As ações penais, regra geral, são julgadas não pelo Plenário, mas pelas Turmas. Com a morte de Teori abriu-se uma vaga na segunda Turma. O art. 19 do RI permite que um ministro peça transferência de Turma quando houver vaga. Se algum ministro quiser assumir a vaga na Turma, ele assumiria os processos antes a cargo de Teori? Creio que não. O RI não prevê transferência de acervo (nome que damos ao conjunto de processos de um Ministro) por substituição na Turma. O art. 19 silencia sobre isso. E o artigo que trata da sucessão de relatoria (art. 38) prevê outras soluções.

Se o julgamento já estiver em curso, a morte do relator transfere a relatoria para o ministro que já tiver votado primeiro a tese da maioria (inciso IV, b), que também atuará como relator para os atos de execução da decisão (letra c). No caso de decisão sobre medida urgente, o RI (art. 38, I) determina a sucessão do ministro falecido pelo revisor (sempre conhecido quando se sorteia o relator) ou pelo ministro imediatamente mais antigo, na Turma ou no Plenário.

Portanto, medidas urgentes seriam automaticamente assumidas pelo Ministro Celso de Mello na Turma e pelo Ministro Barroso no Plenário. Diferente do que ocorre no STJ (cujo RI, art. 52, IV, a, prevê expressamente esta possibilidade) no STF não há previsão para um Ministro assumir a Lava Jato na Turma por simples transferência voluntária.

A segunda dúvida se refere à possibilidade de redistribuição de casos antes da nomeação do sucessor. O mesmo art. 38, III, do RI prevê hipótese de redistribuição em alguns casos (art. 68, RI). Entre outros, no que interessa à LJ, em habeas corpus, risco de grave perecimento de direito, proximidade de prescrição ou casos excepcionais a critério do Presidente. Aqui há alguma liberdade para a ministra Carmem Lúcia determinar redistribuição dos processos.

Contudo, não vejo base para que sejam redistribuídos todos os casos da LJ que estavam com o ministro Teori. Isso daria à LJ uma excepcionalidade presumida. Aproximaria a operação do juízo de exceção. É fato que pode haver medidas emergenciais em processos da LJ (como em outros tantos) que justifiquem a substituição pontual e temporária do relator. Um habeas corpus para discutir uma prisão arbitrária é exemplo.

Assim foi quando do falecimento do ministro Menezes Direito (Portaria STF 174/2009). A homologação de delação premiada justificaria urgência apta a justificar a redistribuição? O Procurador Geral da República fez pedido neste sentido. Creio que não. Urgência não se confunde com pressa. A urgência está relacionada à possibilidade de perecimento de algum direito, não à ansiedade coletiva.

Uma delação pode esperar um ou dois meses para ser homologada. Os crimes delatados estão longe de prescrever. Sabe-se que a delação em pauta levou meses para ser negociada. Há quem tenha dito que a homologação é providência formal, expedita. Nada mais equivocado. A lei exige do magistrado uma análise detida dos termos de uma delação para dar a ela efeitos jurídicos.

O ministro Teori, em outros casos, determinou várias correções e complementações aos delatores e promotores. Qualquer ministro que assuma a relatoria gastará alguns meses para concluir seu exame. Pode não ser o desejado, mas é o que tem de ser feito. E neste caso o açodamento pode ensejar nulidades, exatamente o que se quer evitar:

Resta a crítica. Diz-se ser inaceitável que o sistema político, envolvido na LJ, possa decidir quem relatará as ações. Podemos lastimar o imponderável. Mas não por isso desprezar o que diz a Constituição: a nomeação de ministro do STF cabe ao Presidente e sua aprovação ao Senado. É a regra do jogo.

Resta torcer para que o nome escolhido seja acima de qualquer desconfiança, ou que se declare impedido em alguns casos. Contornar a institucionalidade via soluções criativas ou interpretações casuísticas é tornar excepcionalidade a regra. E o problema da justiça de exceção é que ela simplesmente não é Justiça.

(*) Floriano de Azevedo Marques Neto é professor titular de Direito Administrativo na Faculdade de Direito da USP

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions