A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 23 de Maio de 2017

23/11/2011 16:33

Tecnologia aliada para detecção do câncer de pele

Por Daniela Landim*

O câncer de pele é responsável por 25% do total de tumores malignos no Brasil, segundo dados do INCA (Instituto Nacional de Câncer), e o que assusta as pessoas é a quantidade de diagnóstico de câncer de pele que ouvimos de parentes e conhecidos nos últimos anos.

É importante ressaltar que detectar precocemente o câncer de pele permite a cura na maioria das vezes. Hoje é possível encontrar, nos consultórios, exames que vão além da lupa e da experiência clínica do profissional. Entre eles, a "dermatoscopia" que é um exame realizado por um aparelho (o dermatoscópio), que aumenta de 10 a 70 vezes o tamanho da pinta.

Com o dermatoscópio, pode-se fotografar a pinta, gravar as imagens para ajudar no diagnóstico e, ainda, deixá-la num banco de dados no computador para futuras comparações. Desta forma, o médico dermatologista pode observar o ABCD da pele: Assimetria (se a pinta era redonda e começou a ficar assimétrica); Bordas (se as bordas estão ficando irregulares); Cor (para constatar se mudam as cores, como azul, vários tons de marrom, esverdeada ou rosa); e o Diâmetro (que verifica se a pinta vem crescendo no decorrer das avaliações).

Pela dermatoscopia, a precisão diagnostica do exame chega a 97% e pode-se identificar se a lesão é maligna ou ainda em fase inicial, evitando assim que o paciente faça cirurgias desnecessárias. O acompanhamento é feito anualmente ou dependendo da lesão pode se fazer um acompanhamento mais rigoroso.

É importante que as pessoas se previnam contra o câncer de pele: usar diariamente filtro solar de fator 15 para cima, evitar exposição ao sol entre 10h-16h, praticar esportes externos com roupas adequadas e proteção com chapéu, boné e óculos escuros; e consultar um dermatologista pelo menos uma vez ao ano para exames de controle. O profissional vai avaliar a necessidade de fazer uma dermatoscopia e o melhor procedimento após o diagnóstico.

(*) Daniela Landim é dermatologista, com pós-graduação em Medicina Estética.

Escravização, trabalho, imaginário e imprensa
A relação da imprensa com a abordagem do trabalho nunca foi tranquila. Isso porque a visão da mídia no campo do trabalho está muito associada ao aten...
Admirável (ou Abominável) Mundo Novo
Volto a escrever sobre a Previdência. Não me move o oportunismo de aproveitar o mau momento do governo que promove reformas tidas e havidas como rede...
A questão ambiental nas empresas
A questão ambiental há algum tempo tem emergido como uma questão importante na gestão das empresas e os benefícios estratégicos da preservação ambien...
O fim da escola sem fim
As raízes mais remotas da escola, tal como nós a conhecemos hoje, estão depositadas na Grécia Antiga, especialmente referenciadas, ao redor do século...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions