A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

04/05/2016 14:29

Temos que vencer a guerra no trânsito

Por Marquinhos Trad (*)

O Brasil vive uma guerra trágica. Não se trata de uma guerra envolvendo material bélico e estratégia, mas carros, motocicletas e – na maior parte das vezes – imprudência. A cada ano, cerca de 45 mil brasileiros perdem suas vidas em acidentes de trânsito. 

Um episódio deste conflito que ceifa vidas e retira de nosso convívio entes queridos, amigos, seres humanos com toda uma vida pela frente ocorreu recentemente em Campo Grande, vitimando o filho do vereador Paulo Siufi - meu querido afilhado, Paulo Siufi Filho. Ele tinha apenas 21 anos. Imagino a dor de Paulo, Zeina, e de toda a família, e coloco-os em minhas orações neste momento tão difícil.

Mas a família Siufi não está sozinha em sua dor. Neste ano, 23 pessoas já perderam suas vidas nas estradas, ruas e avenidas de nossa cidade. Em 2015 foram 89 pessoas. No ano anterior, 112 óbitos. Quantas famílias mais terão de passar por este sofrimento? Parte significativa destas vítimas é composta por gente muito jovem, com idade variando de 0 a 24 anos. Não é exagero dizer que nossa juventude está sendo massacrada nesta guerra injusta.

Alta velocidade, imprudência, irresponsabilidade e embriaguez são as causas mais comuns destes graves acidentes que, via de regra, terminam em tragédias.

Desde 2003, a taxa de mortes no trânsito no Brasil subiu de 18,7 para 23,4 a cada 100 mil pessoas. Em 2012, o país teve cerca de 47 mil mortes no trânsito estimadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), o que coloca o trânsito brasileiro como o 33º mais perigoso do mundo, e o 5º da América Latina. No ranking de 2013, o país figurou como o 56º do planeta mais mortal no trânsito, e 3º das Américas, atrás apenas de República Dominicana e Belize.

Via de regra somos apontados como um País com leis adequadas de trânsito, exceto aquelas com relação a limites de velocidade. Muitas cidades do país têm vias urbanas com limite de 80 km/h, mas a OMS só considera seguras vias urbanas com limite de 50 km/h.

Nossas boas leis no entanto, não estão sendo bem implementadas. Em notas de zero a dez, a OMS atribuiu ao país conceito 6 para a implementação de regras como a obrigatoriedade de capacete e o transporte adequado de crianças (no banco de trás, com assentos e cinto apropriados). O respeito à obrigatoriedade do cinto de segurança e a velocidades máximas receberam nota 7. A proibição do álcool ao volante recebeu nota 8.

É preciso inverter esta lógica perniciosa. Não é aceitável que continuemos tratando este tema como se ele fosse inevitável. Como se a morte de tantas pessoas fosse inevitável. Para fazermos frente a esta guerra injusta, todos temos que fazer a nossa parte. É preciso legislar bem, aplicar a lei e obedecê-la. Só assim diminuiremos a dor e o sofrimento de tantas famílias.

(*) Marquinhos Trad é deputado estadual pelo PSD.

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions