A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

16/08/2016 09:43

Terceirização não é precarização

Por Edgar Segato Neto (*)

 

Recentemente têm sido registradas em blogs e colunas de opinião acusações infundadas sobre supostos problemas sociais causados pela terceirização de funcionários. A Febrac, como representante das prestadoras de serviços de limpeza e conservação, se vê atacada com tão ilusórios e errôneos argumentos e, por isso, gostaria de esclarecer alguns pontos em relação ao tema.

O principal desvio de tais ataques está em suas bases preconceituosas. Em cada frase arma-se uma condenação do modelo de terceirização a partir da negação da honra e dignidade daqueles que prestam serviço neste setor. Em um dos ataques mais explícitos, diz-se que os terceirizados “fazem a limpeza, enquanto intelectuais decidem o futuro do país”. Esse não é um ataque à terceirização, mas sim à dignidade do trabalhador de limpeza.

Chega a ser vergonhoso ter de explicar a importância e dignidade de tais trabalhadores, que não são menos honrados ou menos importantes devido à atividade que executam. O setor de limpeza e conservação tem lutado cada vez mais para proteger e assegurar tal dignidade. Reforço aqui, por exemplo, o nosso apoio ao Projeto de Lei 4330/04, que traz regulamentos importantíssimos para assegurar os direitos dos trabalhadores terceirizados.

Tal regulação assegura aos empregados da empresa contratada o recebimento de todos os benefícios assegurados em lei, como o 13º salário, pagamento de horas-extra, férias e outros. Então, sim, ao apoiar o Projeto de Lei 4330/04, estamos apoiando a responsabilidade do patrão, que não é mais “invisível”, sobre os direitos do empregado. Além do mais, de acordo com tal legislação, todo mês as empresas deverão ser fiscalizadas pelo Ministério do Trabalho, garantindo ainda mais o cumprimento das medidas.

E temos que reiterar: a terceirização de forma alguma é sinônimo de precarização, mas sim de geração de emprego e criação de renda para diversas famílias brasileiras. Somente o segmento de limpeza e conservação chega a ser responsável por empregar cerca de 2 milhões de trabalhadores brasileiros.

Não é do interesse dos empresários do setor retirar os direitos dos trabalhadores e/ou “precarizar” o seu trabalho. O Projeto de Lei protege os empregados envolvidos na execução dos serviços terceirizados, pois estabelece que a empresa contratante deverá fiscalizar o cumprimento das obrigações trabalhistas que cabem à empresa contratada. Caso ela não cumpra com essas obrigações trabalhistas e previdenciárias, a empresa contratante deverá cumpri-las.

A terceirização é um caminho necessário para acompanhar o fenômeno da globalização e restabelecer o potencial competitivo das empresas brasileiras, em um cenário mundial onde as empresas caminham para o trabalho integrado a outras que oferecem serviços especializados, garantindo a produtividade e a qualidade do serviço. Empresas mais produtivas conseguem expandir mercados e gerar mais vagas de emprego e melhores condições de trabalho.

(*) Edgar Segato Neto é presidente da Federação Nacional das Empresas Prestadoras de Serviços de Limpeza e Conservação.

Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions