A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

20/12/2013 09:44

Tristezas e esperanças neste Natal

Por Gregorio Vivanco Lopes (*)

Desde aquele primeiro Natal em que “um Menino nos nasceu, um filho nos foi dado; a soberania repousa sobre seus ombros, e ele se chama: Conselheiro admirável, Deus forte, Pai eterno, Príncipe da paz” (Is 9,5), o culto ao Divino Infante foi crescendo nos corações e na sociedade, venceu o paganismo, tornou-se público, encheu o mundo de uma serena alegria.

Vieram, porém, as épocas de decadência da humanidade, a fé foi se extinguindo nas almas. Como a chama da lamparina da qual se esvaiu o azeite, hoje a fé bruxuleia apenas, mesmo em grandíssima parte dos que ainda se dizem cristãos. Se assim é o presente, o que esperar para o futuro?

Não vou estender-me sobre esse infausto tema, dou apenas um exemplo. Cito o ex-reitor da USP, Prof. Roberto Leal Lobo e Silva F°, em seu lúcido artigo “A escola hoje e os alunos que não aprendem” (“Folha de S. Paulo”, 23-10-12).

“A educação brasileira está em crise. Além da recorrente violência escolar — a imprensa noticia com frequência casos de alunos armados ou com drogas, além de agressões a professores — pais e filhos parecem achar que a escola não pode contrariar os alunos ou exigir desempenho.

“As próprias famílias não conseguem impor limites aos filhos — às vezes, nem os pais têm limites — algo que se espraia à sala de aula. Neste momento, vale lembrar um livro francês ‘A Escola dos Bárbaros’, de Isabelle Stal e Françoise Thom.

“Elas consideram que a falta de disciplina nas escolas reflete uma sociedade que ‘adota o prazer como o ideal, em todas as direções — para tal sociedade, o objetivo da civilização é se divertir sem limites’.

“As autoras acertam em cheio ao apontar a profusão de práticas extracurriculares, fáceis e sem conteúdo, que servem para matar o tempo do jovem, como um dos grandes problemas da escola de hoje em dia. Nas palavras das autoras: “Sob o pretexto de instaurar na escola a igualdade, o ensino é nivelado por baixo. ‘A ambição da igualdade a todo preço desencoraja o esforço de aprender, tipicamente individual’”.

Mas, perguntará o leitor: há esperança, em que se baseia?

É preciso considerar que, disseminadas por toda a superfície da Terra, há pessoas que gemem e choram no interior de suas almas por causa das calamidades presentes. O Menino Jesus não frustrará seus anseios, pois Ele veio para vencer: “Eis que venho em breve, e a minha recompensa está comigo, para dar a cada um conforme as suas obras” (Ap. 22,12).

(*) Gregório Vivanco Lopes é advogado e colaborador da ABIM

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions