A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

29/11/2016 14:39

Trump e o agronegócio brasileiro

Por José Zeferino Pedrozo (*)

Muita apreensão acompanhou a surpreendente eleição do republicano Donald Trump à presidência dos Estados Unidos. A preocupação está fundada nas ideias e propostas difundidas durante a campanha eleitoral, a maioria delas eivadas de protecionismo e tendências isolacionistas. O candidato manifestou clara aversão ao processo de globalização da economia e a aos blocos comerciais internacionais.

Essas preocupações chegam ao Brasil que tem, no grande país do norte, um velho parceiro. Estados Unidos foi o primeiro país a reconhecer a independência brasileira e tem mantido exitosos programas de cooperação em várias áreas. O fato de o Brasil ter tido embates na Organização Mundial do Comércio, onde questionou o subsídio norte-americano ao algodão e saiu-se vitorioso, não muda esse cenário.

O que vem pela frente é incerto, não só pelas promessas radicais de campanha, mas, sobretudo, pela absoluta falta de experiência política do novo presidente. Apesar de tudo, sou otimista e acredito que o Brasil continuará sendo um parceiro estratégico. A relação comercial é superavitária para os norte-americanos em mais de US$ 2 bilhões. O Brasil nunca gerou ondas migratórias, não abrigou terrorista, não praticou comércio desleal, enfim, está no radar dos ianques como aliado. E tem um grande fator em comum: é uma democracia consolidada.

É provável, porém, que haverá ímpeto mais forte no ambiente internacional de negócios, regras protecionistas ao agronegócio americano e agressividade para a expansão de mercados. Se Trump adotar essa linha protecionista e, eventualmente, não reconhecer os tratados dos quais os EUA são signatários, com o Nafta, Otan e Parceria Transpacífico, pode acabar criando uma grande oportunidade para o Brasil. Aproximar-nos cada vez mais da China, Ásia, Oriente Médio, México, países africanos, paises latino-americanos, assim como a Europa, será a nossa saída.

Temos muita competência no agronegócio – especialmente em carnes, lácteos, grãos e frutas – e capacidade de disputar mercados, apesar das deficiências infraestruturais, custos elevados e excesso de tributos. Por isso não tememos os novos tempos. Que venha a “Era Trump”.

(*) José Zeferino Pedrozo é presidente da Faesc (Federação da Agricultura e Pecuária de Santa Catarina)

Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions