A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 24 de Março de 2017

11/01/2013 08:11

Um 2013 menos clichê...

Por Marcos Hiller (*)

Quero um 2013 mais inusitado. Um ano menos ansioso e mais “easy-going”. Um 2013 com mais abraços reais e menos virtuais. Um ano com mais check-ins em museus do que em shoppings. Que as pessoas se exponham menos, cutuquem menos, retuitem menos e produzam mais. Quea a gente se logue menos e se deslogue mais. Que a gente saia mais para jantar fora, em uma segunda-feira qualquer, com quem a gente ama. Que a gente ligue mais para dar os parabéns e deixe menos mensagens na rede social.

Um 2013 menos exigente com nós mesmos e mais paciente com os outros. Um 2013 com mais riscos, um ano mais cara-de-pau, uma fase de descobertas, e de ser mais fuçado. Que a gente conheça mais gente na rua e menos na tela do computador. Um ano de sermos mais autênticos, mais nós mesmos e mais orgulhosos de nossas conquistas, por menores que elas possam ser. Um ano de celebrar tudo e de buscar a felicidade nas pequenas coisas. Um ano menos “status quo” e mais “siga sua intuição”. Um ano mais light e menos urgente. Um ano com menos projetos e com mais ideias. Um ano mais Coca-Cola normal e menos Coca Zero. Um 2013 mais sustentável, mais verde, mais Heineken.

Que as pessoas critiquem menos, elogiem mais, trolem menos e compartilhem mais. Que a gente curta mais a nossa vida do que a dos outros. Eu quero um 2013 que nem céu de brigadeiro, mais inesquecível, mais bonito e mais calmo. Um ano mais 1.0 e cada vez menos 3.0. Eu quero um 2013 mais offline e menos online.

Para um especialista em Marketing, Consumo e Mídia Online pode parecer um contrassenso, mas não é. Acredito muito no potencial e no poder de ferramentas online no nosso dia-a-dia e nas nossas relações com pessoas e marcas. Mas pra mim, o alicerce de qualquer estratégia digital ainda está no mundo real, no mundo offline, no aqui e agora. A essência de tudo ainda está nas pessoas, no ser humano, na vida como ela é. Um excelente 2013 a todos!

*Marcos Hiller é coordenador de Marketing, Consumo e Mídia Online da Trevisan Escola de Negócios

O custo da violência no trânsito brasileiro
A imprudência no trânsito mata cerca de 45 mil pessoas por ano no Brasil e deixa aproximadamente 600 mil com sequelas permanentes, conforme aponta o ...
A carne é fraca
A operação deflagrada pela Polícia Federal conhecida como “carne fraca”, trouxe à tona, mais uma vez, escândalos que abalam a confiança nos produtos ...
A diferença entre a vida e a morte na BR-163 em MS
Em casos de acidente com trauma, a diferença entre a vida e a morte pode estar na rapidez do atendimento às vítimas e na eficácia dos procedimentos d...
A carne que trabalha
A deflagração da chamada “Operação Carne Fraca”, no último fim de semana, tornou conhecidas do público em geral práticas mercadológicas adotadas pelo...



Valeu, Marcos.
Ou seja, vamos deixar de ser "boiada" e voltar a ser "gente".
Adoro a ousadia de quem expõe o que pensa, que ousa falar na "contramão" da massa.
Essa autenticidade me encanta. O mundo ainda tem jeito.
Parabéns pelo texto e prazer em conhecê-lo por suas idéias.
Que venham muitas dessas em 2013.
 
TEREZA CRISTINA RAZUK em 11/01/2013 11:18:29
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions