A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Junho de 2018

07/08/2015 13:00

Um pacto por Campo Grande

Por Ricardo Ayache (*)

O sociólogo e urbanista Robert Park definiu a cidade como “a tentativa mais bem-sucedida do homem de refazer o mundo em que vive mais de acordo com os desejos do seu coração. Mas, se a cidade é o mundo que o homem criou, é também o mundo onde ele está condenado a viver daqui por diante. Assim, indiretamente, e sem ter nenhuma noção clara da natureza da sua tarefa, ao fazer a cidade o homem refez a si mesmo”.

Se pensarmos na situação atual de Campo Grande sob a luz desse conceito, a primeira coisa que nos ocorre é de que erramos em alguma coisa. O quadro de insatisfações e de perda de referências sobre o que desejamos para a cidade, e, portanto, para nós mesmos, exige reflexão e esforço para começarmos a mudar os rumos que as coisas tem tomado. Não é uma cidade dividida e sem projetos que vai satisfazer os desejos de nossos corações. Essa é a cidade dos condenados, nas palavras de Park.

Mudar o quadro exige, antes de tudo, a percepção de que estamos todos construindo junto a cidade. Os problemas que enfrentamos são fruto de nossas ações e serão nossas iniciativas que serão capazes de transformá-los. O poder público é reflexo da movimentação dos diferentes atores da cidade. Temos grave crise na administração da cidade e será nossa mobilização que vai apontar os rumos para superá-la.

Todos devemos pensar sobre o que queremos, o que imaginamos sobre nós mesmos e sobre nossa cidade no futuro de curto, médio e longo prazos. Trabalhadores, empresários, acadêmicos têm seus interesses e seus diagnósticos sobre a situação. Se a constatação a que todos chegamos é a de que precisamos mudar, temos então que fazê-lo de forma efetiva.É necessário ouvir os trabalhadores da saúde e educação com suas justas reivindicações, os empresários que precisam de um ambiente que possibilite a segurança para seus negócios, as associações dos bairros pobres que necessitam de serviços públicos eficientes nas comunidades e muitos outros grupos. Precisamos de todos juntos discutindo, propondo e pactuando as ações a serem tomadas de forma democrática e sem traumasDiscutir nossos diagnósticos e trazer propostas para as mudanças necessárias.

Não é tarefa para um determinado grupo político, para um determinado segmento social ou para alguns iluminados. É tarefa para todos aqueles que têm compromisso com a cidade, com a ética. É um momento para pensarmos num pacto entre os diversos segmentos que atuam nessa cidade, onde construímos as nossas vidas e nossos sonhos. Um pacto por Campo Grande.

(*) Ricardo Ayache é presidente do Instituto Diálogo

A corda arrebenta para todos
Ao pensar na África, geralmente formamos imagens com exuberância de recursos naturais. Falta de água nos remeteria aos desertos daquele continente, e...
Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions