A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 21 de Outubro de 2019

03/03/2018 13:00

Vida encaroçada

Por Francisco Habermann (*)

A gente percebe que a vida vai passando quando o corpo começa a encaroçar. Um nódulo aqui, outra inflamação articular ali e a gente vai se adaptando. Cito essas figurações clínicas comuns apenas para comentar uma história real. Que também teve caroços.

Aqueles dois jovens iniciando a vida de casados, tinham as tarefas intensas do dia-a-dia sendo vencidas com dedicação redobrada. Com o serviço de casa completado, ele teve a ideia de preparar um curau. Era fevereiro, mês de produção abundante de milho verde. Aquele final de dia extenuante pedia um intervalo descontraído do casal e a proposta para apreciar o prato típico foi aceita pela esposa.

Nenhum dos dois tinha prática naquele preparo, só a lembrança de ambas as mães fazendo aquele quitute saboroso, típico da culinária brasileira. Foram em frente.

Cortados e raspados os grãos de milho verde, foram moídos em liquidificador e coado o suco. Baseados nas informações do livro de receitas Dona Benta ( primeiro presente que ela ganhara dele, logo que se conheceram ), iniciou-se o cozimento da mistura, mexendo sempre. A certa altura da fervura, eis que o líquido foi tomado por caroços. E não adiantava agitar mais com a colher de pau. Os novatos mestre-cucas resolveram interromper o cozimento e passar o conteúdo na peneira, por sugestão dele. O líquido quente espirrava e o processo sugerido em nada adiantou. Retornado o líquido à panela, reiniciado o aquecimento, os caroços ressurgiam. Enfim, desistiram do curau. Os doces caroços venceram e o casal ficou só na vontade daquele apreciado prato brasileiro. Mas uma dúvida sobre o procedimento culinário tão simples ficou na consciência dos frustrados novatos.

Somente mais tarde é que souberam do processo de coagulação nodular temporária do amido na própria sequencia do cozimento da mistura. Persistindo em fervura, os caroços se dissolvem. E o curau fica uma delícia. Ah, sim, faltou a eles o famoso conhecimento prático que mães amorosas cultivam!

Concluo que na nossa vida acontece a mesmo fenômeno. As dificuldades aparecem e a própria ‘fervura’ (persistência? dedicação? amor? ) existencial faz os problemas ( caroços ) se dissolverem por si. E vamos vivendo felizes...

Ainda bem!

(*) Francisco Habermann é professor da Faculdade de Medicina da Unesp de Botucatu. Contato: fhaber@uol.com.br

Antônio Baiano – Um Gigante
Roseli Marla, minha cunhada querida, neste momento de profunda tristeza que todos estamos vivendo com a morte prematura do nosso querido Antônio Baia...
Projeto de lei pretende punir quem ocultar bens no divórcio
Quem milita na área do Direito de Família está, infelizmente, mais do que acostumado a se deparar com inúmeros expedientes para fraudar o direito à m...
Internet, Vínculos e Felicidade
A cada dia estamos passando mais tempo em celulares e computadores. Tanto que muitas vezes, quando maratonamos seriados, até a televisão pergunta: "t...
Origem espiritual da Profecia
Em minha obra Os mortos não morrem, transcrevo estudos abalizados e relatos interessantíssimos sobre a realidade da vida após o fenômeno chamado mort...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions