A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 19 de Junho de 2018

22/09/2016 13:03

Você sabia que o stresse do dia-a-dia causa mau hálito? Saiba cuidar e prevenir

Por Rita de Cássia Baréa (*)

Criança chorando, cachorro sujando a casa que estava limpa, trânsito lento, pressões no trabalho, atrasos. Tudo isso vira motivo para o dito "estresse" e, inclusive, o mau hálito. Isso porque quando ficamos estressados ocorre uma redução na produção de saliva, já que as atividades das glândulas salivares dependem do bom funcionamento do nosso Sistema Nervoso Central.

Para quem não sabe, o mau hálito, ou halitose, é uma alteração desagradável em nosso ar expirado; e pode significar uma mudança orgânica que necessita de tratamento, ou fisiológica, que requer orientações.

Em caso de estresse é normal a boca ficar seca, produzirmos saliva mais espessa e, em menor escala, até termos refluxo gastroesofágico. Tudo isso contribui para a estagnação de matéria orgânica sobre o dorso da língua. Por conseguinte, a degradação desse material determina a formação dos compostos responsáveis pelo mau odor que serão eliminados pelo ar expirado.

Prevenção

Higiene bucal impecável não basta para garantir um hálito agradável. Alimentação saudável, com intervalos de tempo não superiores a três horas entre as refeições e beber muita água são dicas simples e que, com a nossa rotina agitada, acabamos esquecendo.

Além disso, com tempo reduzido para o almoço, é natural as pessoas comerem mais rapidamente, mastigando menos e provocando diminuição na salivação. O ideal é conseguir mais tempo no dia-a-dia para cuidar de si.

Quando a halitose é indício de alguma doença

De modo geral, a halitose passa a ser um problema de saúde com consequências sociais, morais, psicoafetivas e até econômicas. Segundo dados da OMS - Organização Mundial de Saúde, aproximadamente 40% da população mundial tem halitose.

Além do fator estresse, o mau hálito pode ser indício principalmente de problemas orais – como cáries, má escovação dos dentes e da língua, sinusite, amidalite, problemas de origem digestiva e até mesmo sistêmica, como diabetes e alterações hormonais.

A orientação é de que todo paciente que desconfie ser portador de halitose procure o seu médico para tentar identificar a origem deste problema. O dentista, gastro, clínico geral podem iniciar o tratamento e até indicar exames que identifiquem a origem da halitose. E essa identificação correta é importante para direcionar o tratamento mais adequado para cada caso de halitose.

(*) Dra. Rita de Cássia Baréa (CRM 3907/MS) é gastroenterologista especialista em hepatologia (Gastroenterologia RQE 2821, Hepatologia RQE 4442).

A carne mais barata do mercado é a carne negra
Os números apresentados pelo Atlas da Violência de 2018 mostram a agudização nas tendências do perfil de assassinatos cometidos no Brasil: a vítima é...
O impacto da arte
Campo Grande foi agraciada neste fim de semana com um espetáculo de dança-teatro que, certamente, é digno de ser apresentado nas maiores cidades do m...
Promessas inviáveis
Nos próximos seis meses, assistiremos a três eventos: bons jogos de futebol, repetitivas eleições e promessas inviáveis. Os primeiros, em função da C...
É possível reduzir a carga tributária em processos de inventários e doações
Mesmo se tratando de uma taxa que também incide na comunicação de transferência de bens e imóveis, o ITCMD (Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doa...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions