ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEXTA  19    CAMPO GRANDE 27º

Cidades

Em esquema de fraudes tributárias só 27 empresas sonegaram R$ 17,5 milhões em MS

Consultoria investigada vendia solução para redução de carga tributária para empresários

Por Izabela Cavalcanti | 18/06/2024 10:28
Carros da Receita Federal parados em frente da casa de um dos suspeitos (Foto: Divulgação/Receita Federal)
Carros da Receita Federal parados em frente da casa de um dos suspeitos (Foto: Divulgação/Receita Federal)

A Receita Federal e a Polícia Federal deflagraram, na manhã desta terça-feira (18), a Operação “Crédito Pirata” para combater a sonegação e lavagem de dinheiro em falsa empresa que utilizava créditos tributários de PIS/Cofins fictícios. Em Mato Grosso do Sul, 27 contribuintes de sete municípios participaram da fraude, que totaliza R$ 17,5 milhões em reduções da carga tributária.

Em Chapadão do Sul foram 19 contribuintes, no qual, a compensação indevida chega a R$ 10.528.629,22. Em Costa Rica foram 2 contribuintes (R$ 754.915,19); em São Gabriel do Oeste também dois contribuintes (R$ 3.118.989,16).

Em Aparecida do Taboado, a compensação chega a R$ 13.272,46; Campo Grande, R$ 982.909,54; Dourados, R$ 1.675.131,60; e Paraíso das Águas, R$ 458.191,94. Tinha um contribuinte envolvido em cada município.

A operação também abrange outras 193 cidades em 22 estados, - incluindo Mato Grosso do Sul -, totalizando R$ 1.020.710.804,39 em fraudes. Em todo o Brasil, 530 contribuintes estavam envolvidos.

Estão sendo cumpridos sete mandados de busca e apreensão em São Paulo, Campos do Jordão, Osasco, Praia Grande e Sorocaba. Os mandados são em residências, empresas e escritórios de investigados e de pessoas ligadas à suposta organização criminosa.

Entre os alvos estão o principal operador da fraude tributária, que era responsável pela elaboração e transmissão das Declarações de Compensação fraudulentas; e o mentor intelectual, que tentava dar aparência de legalidade.

A Receita Federal informa que não existe qualquer hipótese de extinção de débitos utilizado para compensação de crédito que não seja tributário, líquido e certo e apurado pelo próprio declarante.

A orientação da Receita Federal é para que não aceite “ofertas” como essas e denuncie o fato ao órgão. O canal para denúncias é a Ouvidoria, que pode ser acessada por meio do link: www.gov.br/receitafederal/pt-br/canais_atendimento/ouvidoria.

Como funcionava o esquema – A consultoria investigada vendia solução para redução de carga tributária para empresários. Era enviada à Receita Federal, a Declaração de Compensação fraudulenta em nome da empresa contratante por meio de uma interposta pessoa (laranja).

Na situação, era informado que a empresa possuía créditos de PIS/Cofins que seriam suficientes para quitar os débitos. No entanto, o valor não existia, e depois os débitos voltavam a ser cobrados pela Receita Federal.

Por se tratar de tributos complexos, os fraudadores conseguiam vender para seus clientes a ideia de que os créditos realmente existiam.

Ciclo da fraude feita pela organização criminosa, que chegou a 200 cidades do Brasil (Foto: Divulgação/Receita Federal)
Ciclo da fraude feita pela organização criminosa, que chegou a 200 cidades do Brasil (Foto: Divulgação/Receita Federal)

Com isso, a consultoria era remunerada com um percentual que variava entre 30% e 70% do valor dos impostos compensados. O dinheiro era utilizado na aquisição de imóveis e de outros bens de luxo no Brasil e no exterior, registrados em nome de empresas patrimoniais e laranjas.

Fraudes como essas causam perda de arrecadação aos cofres públicos, e prejudicam o próprio contribuinte, que será multado e fiscalizado na cobrança dos débitos indevidamente compensados. Também poderá ter seu patrimônio bloqueado e responder por crime contra a ordem tributária.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias