ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  20    CAMPO GRANDE 17º

Cidades

Estabelecimentos não podem oferecer apenas cardápio digital em MS

A Abrasel discorda da decisão e alega que irá orientar o setor quanto à implementação de regra

Por Idaicy Solano | 21/09/2023 11:36
Cardápio com QR Code em estabelecimento da Capital (Foto: Alex Machado)
Cardápio com QR Code em estabelecimento da Capital (Foto: Alex Machado)

Está proibida a disponibilização exclusiva de cardápios digitais em bares, lanchonetes, restaurantes e estabelecimentos similares em Mato Grosso do Sul. A Lei Estadual nº 6.107/2023, aprovada pela Alems (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul) e publicada em Diário Oficial do Estado nesta quinta-feira (21), obriga locais que comercializam bebidas, refeições ou lanches a disponibilizarem ao menos uma unidade de cardápio impresso, com nome dos itens e preços de forma legível.

A justificativa é dar ao consumidor a opção de escolher entre a versão de papel ou digital, pois a disponibilização exclusiva do cardápio digital exclui pessoas que têm dificuldade em acessar a internet e também aqueles que não possuem um aparelho de celular moderno, pois geralmente o menu é disponibilizado por meio de código de barras (QR Code).

O estabelecimento que descumprir a lei estará sujeito às penalidades previstas no Código de Defesa do Consumidor. A multa deve ser estipulada em regulamentação própria e revertida para o Fundo Estadual de Defesa dos Direitos do Consumidor.

A lei foi proposta pelo deputado estadual Márcio Fernandes (MDB) entra em vigor a partir de hoje.

Impasse - O presidente da Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes), João Francisco Denardi, declarou que a categoria respeita a decisão, porém discorda e agora aguarda a regulamentação da lei. "A entidade irá orientar o setor quanto aos procedimentos que deverão ser adotados para atender a essa nova lei, evitando que os empresários tenham prejuízos, tanto financeiros, quanto no relacionamento com seus clientes".

A associação já tinha se manifestado contra a implementação da lei, em julho deste ano. Na ocasião, foi levantado que a lei seria prejudicial ao setor, ao levar a “gastos desnecessários e não programados”. Para a entidade, a medida viola a liberdade econômica.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para entrar na lista VIP do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias