ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUARTA  28    CAMPO GRANDE 31º

Cidades

Marido de delegada leva golpe de amigo de infância, preso em SP

O suspeito Rodrigo Barbanti Soares foi preso em hotel na capital de São Paulo onde estava com a família

Por Lucia Morel | 08/12/2023 15:17
Um dos quartos do Hotel Genev, no bairro Aclimação, em São Paulo. (Foto: Reprodução Internet)
Um dos quartos do Hotel Genev, no bairro Aclimação, em São Paulo. (Foto: Reprodução Internet)

Marido de delegada de Campo Grande levou golpe de amigo de infância, natural de Araçatuba (SP). A vítima pagou R$ 630 mil para compra de dois veículos e como a amizade era antiga, confiou cegamente no comerciante que recebeu o dinheiro, mas nunca entregou os carros. Foram pagos R$ 260 mil para compra de uma caminhonete Amarok e R$ 370 mil por uma SUV Toyota SW4.

O comerciante de veículos identificado como Rodrigo Barbanti Soares, de 50 anos, estava hospedado com a família no Hotel Flat Geneve, no bairro Aclimação, em São Paulo (SP) quando foi preso por policiais da Dedfaz (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Defraudações, Falsificações, Falimentares e Fazendários), de Mato Grosso do Sul, na última quarta-feira, dia 6, pela manhã. O espaço custa ao menos R$ 4,1 mil ao mês. Somente ao personal trainner, Rodrigo pagava R$ 2,8 mil mensalmente.

O homem responde a pelo menos 28 procedimentos somente em Araçatuba e região, entre eles, processos e inquéritos policiais. Outros 12 processos são referentes ao período de 2008 a 2021. Conforme a Dedfaz, houve decisão judicial que determinou o mandado de prisão preventiva e Rodrigo foi trazido a Campo Grande, onde está preso.

Sites paulistanos revelaram mais detalhes do caso, já que o procedimento está em sigilo no TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul). O homem atuava, principalmente, intermediando a venda de veículos de terceiros. Ele se responsabilizava pela venda, feita a garagens ou pessoas físicas, mas embolsava todo o dinheiro recebido, sem repassar aos donos dos carros.

No momento da prisão, o comerciante investigado tinha em mãos cerca de R$ 1,6 milhão em espécie. Em depoimento à polícia, Rodrigo teria dito que ao negociar a venda dos dois veículos com o amigo de infância, estaria com “problemas de cabeça” e que tinha serviço fixo em uma gráfica da família.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias