ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, QUARTA  22    CAMPO GRANDE 27º

Cidades

Ministério vai apurar uso de material contrabandeado em obra da Rota Bioceânica

Ministro interino dos Transportes anunciou reunião com o Ministério da Fazenda após operação da Receita

Por Jhefferson Gamarra | 19/12/2023 13:29
Receita Federal durante fiscalização na Ponte Biocêanica (Foto: Divulgação)
Receita Federal durante fiscalização na Ponte Biocêanica (Foto: Divulgação)

Em cerimônia de assinatura para execução das obras de acesso à ponte Bioceânica, realizada no Bioparque Pantanal, em Campo Grande, nesta terça-feira (19), o secretário-executivo do Ministério dos Transportes, George Santoro, que ocupa interinamente o cargo de ministro, garantiu que vai participar de uma reunião com Receita Federal para verificar as possíveis irregularidades na obra.

"A gente está tratando desse assunto e em breve teremos uma reunião com o Ministério da Fazenda para resolver esse problema com a Receita Federal," resumiu Santoro.

Secretário-executivo do Ministério dos Transportes, George Santoro durante evento no Bioparque (Foto: Marcos Maluf)
Secretário-executivo do Ministério dos Transportes, George Santoro durante evento no Bioparque (Foto: Marcos Maluf)

A operação da Receita Federal, intitulada "Ponte Segura", foi deflagrada para investigar a suspeita de utilização de materiais fruto de contrabando e descaminho na construção da ponte entre Brasil e Paraguai, parte fundamental da Rila (Rota de Integração Latino-Americana). A preocupação reside na possível estocagem e uso de insumos sem comprovação de aquisição no mercado interno ou regular importação.

Até o momento, não foram divulgados detalhes sobre eventuais apreensões nos canteiros de obras. A Receita Federal afirmou que os resultados da operação serão divulgados após a conclusão das averiguações.

A ponte, que terá 1.294 metros de comprimento e 354 metros de vão livre sobre o rio Paraguai, está sendo financiada pela Usina Binacional Itaipu, com um investimento estimado em cerca de US$ 100 milhões. A conclusão da obra é prevista para o primeiro semestre de 2025 e fará parte de uma rota que conectará os portos chilenos de Mejillones, Antofagasta, Tocopilla e Iquique.

A construção está a cargo do Consórcio PYBRA, composto pelas empresas Tecnoedil Ltda e Paulitec do lado paraguaio, juntamente com a brasileira Cidades Ltda. O engenheiro Paulo Leitão, gerente geral da PYBRA, afirmou ao que a Receita Federal solicitou a documentação dos materiais adquiridos, e o consórcio está reunindo esses documentos para fornecê-los às autoridades fiscais. Enquanto o caso está em investigação, as obras seguem normalmente.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias