ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, TERÇA  25    CAMPO GRANDE 22º

Cidades

Missa de 7º dia “salva” conselheiro de virar réu por receber propina “do lixo”

Denunciado por lavagem de dinheiro e ocultação de bens, futuro de conselheiro deve ser decidido em junho

Por Anahi Zurutuza | 15/05/2024 18:19
Pilhas de dinheiro apreendido pela Polícia Federal durante a Operação Mineração de Ouro (Foto: PF/Divulgação)
Pilhas de dinheiro apreendido pela Polícia Federal durante a Operação Mineração de Ouro (Foto: PF/Divulgação)

Missa “livrou” o conselheiro do TCE-MS (Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul), Ronaldo Chadid, de virar réu – ou não – por supostamente receber propina para dar decisão favorável à concessionária do lixo de Campo Grande, CG Solurb. Reunidos pela terceira vez para decidir o destino de denúncia, oferecida pela Procuradoria-Geral da República há um ano, ministros da Corte decidiram adiar a sessão de julgamento para o dia 5 de junho.

Depois de ouvir as sustentações orais dos defensores e dar encaminhamentos a outras três ações judiciais, a ministra Maria Thereza de Assis Moura suspendeu os trabalhos desta quarta-feira (15), às 17h05. Ela e os demais julgadores tinham compromisso às 18h (horário de Brasília): ir à celebração religiosa pelo 7º dia da morte do ex-ministro do STJ, Carlos Fernando Mathias de Souza, em Brasília.

Dentre os 22 processos que seriam colocados em debate hoje, estava o instaurado contra Chadid e a então chefe do gabinete do conselheiro, Thaís Xavier Pereira da Costa. Em maio do ano passado, a PGR ofereceu denúncia contra os dois pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e ocultação de bens. Depois disso, ministros se reuniram, em fevereiro e março deste ano, para decidir se as acusações têm embasamento para que Chadid e Thaís respondam a processo.

Em março, as defesas do conselheiro e da assessora foram ouvidas pela Corte Especial e o relator do caso, Francisco Falcão, votou por aceitar a denúncia. Para ele, “há elementos indiciários suficientes”. Os demais ministros não votaram ainda.

Ministros reunidos na Corte Especial para analisar processos nesta quarta-feira (Foto: Reprodução)
Ministros reunidos na Corte Especial para analisar processos nesta quarta-feira (Foto: Reprodução)

As acusações – Conforme a denúncia, assinada pela então vice-procuradora-geral da República, Lindôra Maria Araújo, “há indícios robustos” das práticas de corrupção e lavagem de dinheiro pelo conselheiro em conluio com sua assessora. Ela pediu a prisão de ambos, além da perda dos cargos públicos e pagamento de indenização ao erário no valor de R$ 1,6 milhão.

O montante se refere ao que foi apreendido, com o conselheiro e sua assessora, pela Polícia Federal durante a Operação Mineração de Ouro, deflagrada em 8 de junho de 2021 com base em apurações iniciadas ainda na Operação Lama Asfáltica. Conforme o relatório da investigação, R$ 889.660,00 em espécie estavam na casa de Chadid, enquanto R$ 729.600,00 haviam sido guardados na residência de Thaís.

Pelo que identificaram as investigações, o montante foi pago ao conselheiro, hoje afastado, para livrar a Solurb da suspensão do contrato com a Prefeitura de Campo Grande, editado em decreto do então prefeito Alcides Bernal. Chadid concedeu liminar que suspendeu os efeitos do decreto.

Ronaldo Chadid em gabinete do TCE-MS (Foto: Tribunal de Contas/Divulgação)
Ronaldo Chadid em gabinete do TCE-MS (Foto: Tribunal de Contas/Divulgação)

Defesa – Uma das justificativas das pelo conselheiro para a dinheirama apreendida em 2021 foi que por ser árabe, ele tinha o costume de guardar economias, desde 1995, fora de bancos.

No STJ, Chadid conta com time de 24 advogados, sob o comando Gustavo Henrique Righi Ivahy Badaró, de São Paulo. No dia 6 de março, o defensor sustentou diante os ministros que a denúncia era inepta, ou seja, não contém os atributos legais para ser acatada. Também afirmou que guardar reais em mala não é ilegal e que pagar boletos em dinheiro não é crime. “Rejeitem denúncia! Não há provas de que o dinheiro é produto de corrupção ou venda de decisão”, argumentou o advogado.

Já a advogada de Thaís, Nara Terumi Nishizawa, do Distrito Federal, alegou que nem mesmo investigação de PF apontou certeza quanto a origem dos R$ 1,6 milhão em espécie. Segundo ela, laudo papiloscópico não identificou as digitais na parte interna da mala encontrada na casa da cliente, alegando que o conteúdo só foi descoberto porque a Polícia Federal arrombou a sacola. “As presunções não correspondem aos elementos desses autos e peço pelo não recebimento da denúncia e absolvição sumária por ausência de dolo”, afirmou.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias