ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, SEXTA  12    CAMPO GRANDE 24º

Capital

Afastado pelo STJ, comissionado segue com salário de R$ 30 mil no TCE

Douglas Avedikian foi alvo da operação da Polícia Federal em dezembro de 2022

Por Aline dos Santos | 25/02/2024 08:48
Douglas Avedikian durante evento no TCE do Rio Grande do Norte. (Foto: Comunicação/TCE-RN)
Douglas Avedikian durante evento no TCE do Rio Grande do Norte. (Foto: Comunicação/TCE-RN)

Afastado por ordem do STJ (Superior Tribunal de Justiça) desde dezembro de 2022, o servidor comissionado Douglas Avedikian segue recebendo salário de R$ 30.962 no TCE-MS (Tribunal de Contas do Estado).

A remuneração, no período de dezembro de 2022 a setembro de 2023 (último dado disponível no Portal da Transparência), foi de R$ 304.831. O total considera o salário bruto (sem descontos), que perfaz R$ 292.600, e a rubrica “outros pagamentos legais ou judiciais”, que totalizou R$ 12.235.

De dezembro de 2022 a abril de 2023, o salário era de R$ 27.558,58. A partir de maio do ano passado, o valor subiu para R$ 30.962. Conforme o Tribunal de Contas, a ordem foi para afastamento do servidor, mas sem prejuízo da remuneração.

“O TCE-MS informa que, em estrito cumprimento da decisão proferida pelo Superior Tribunal de Justiça, o servidor Douglas Avedikian foi afastado de suas funções sem prejuízo da remuneração como determinado pelo ministro Francisco Falcão. Tal decisão judicial contemplou o afastamento e não a exoneração do servidor, limitando-se o TCE-MS a cumpri-la imediata e integralmente”, informa a nota enviada pelo tribunal.

A reportagem entrou em contato com o servidor comissionado, que não quis se manifestar. Douglas foi alvo de operação da PF (Polícia Federal) em 8 de dezembro de 2022.

Afastado há um ano, servidor comissionado tem remuneração de R$ 30.962. (Foto: Reprodução)
Afastado há um ano, servidor comissionado tem remuneração de R$ 30.962. (Foto: Reprodução)

Batizada de Terceirização de Ouro, a ação também resultou no afastamento dos conselheiros Waldir Neves, Iran Coelho das Neves (então presidente do Tribunal de Contas do Estado) e Ronaldo Chadid.

A medida de afastamento ainda atingiu a servidora Thais Xavier Ferreira da Costa, chefe de gabinete do conselheiro Chadid.

As investigações apuram indevida contratação por meio de licitações fraudulentas, utilizando-se de conluio prévio entre as empresas participantes do certame.

Num contrato com o TCE-MS (Tribunal de Contas do Estado), relatório da operação mostra que a empresa Dataeasy Consultoria e Informática, localizada em Brasília, tinha liberdade de cobrar de R$ 24,87 a R$ 1.194 pelo serviço de “atualizar informações”.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias