ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, QUINTA  18    CAMPO GRANDE 24º

Cidades

STJ adia decisão sobre conselheiro do TCE suspeito de corrupção

Corte analisa denúncia contra Chadid e assessora por R$ 1,6 milhão encontrado na operação Lama Asfáltica

Por Jhefferson Gamarra | 21/02/2024 14:44
Ex-corregedor-geral do Tribunal de Contas do Estado, conselheiro Ronaldo Chadid que está afastado do cargo (Foto: Divulgação/TCE)
Ex-corregedor-geral do Tribunal de Contas do Estado, conselheiro Ronaldo Chadid que está afastado do cargo (Foto: Divulgação/TCE)

Estava previsto para esta quarta-feira (21) o julgamento na Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça da denúncia por ocultação de patrimônio contra o ex-corregedor-geral do Tribunal de Contas do Estado, conselheiro Ronaldo Chadid, e sua chefe de gabinete, Thaís Xavier Pereira da Costa. Contudo, a decisão foi adiada para a próxima sessão devido à ausência do vice-presidente da turma, ministro Og Fernandes, que apresentou atestado médico.

A denúncia, oriunda de uma das fases da Operação Lama Asfáltica, assinada pela vice-procuradora-geral da República, Lindôra Maria Araújo, aponta indícios “robustos de corrupção e lavagem de dinheiro” por parte de Chadid e Thais Xavier Ferreira da Costa. A procuradora pede a prisão de ambos, além da perda dos cargos públicos e o pagamento de indenização no valor de R$ 1,6 milhão.

Durante operação em junho de 2021, a Polícia Federal apreendeu R$ 889.660,00 na casa de Chadid e R$ 729.600,00 na residência de Thaís, totalizando R$ 1.619.260,00. O conselheiro e funcionária são acusados de peculato e desvio de dinheiro público.

Montante encontrado pela PF na casa de Chadid e da assessora (Foto: Divulgação/PF)
Montante encontrado pela PF na casa de Chadid e da assessora (Foto: Divulgação/PF)

As investigações tiveram início a partir de telefonemas interceptados durante a operação Lama Asfáltica, que foram encaminhados ao STJ (Superior Tribunal de Justiça). O esquema envolve ainda servidores públicos do Estado e grupo de empresários em fraudes relacionadas a procedimentos licitatórios, obras superfaturadas e desvio dinheiro público.

No início do julgamento previsto para hoje, a presidente da corte, Ministra Maria Thereza Rocha, declarou impedimento para prosseguir com a presidência, e com a ausência do vice-presidente, seguindo a ordem de antiguidade, os trabalhos seriam conduzidos pelo ministro Luis Felipe Salomão. No entanto, Salomão, informou que havia preparado um destaque e solicitou o adiamento do julgamento, pois queria participar da votação.

“Eu quero participar do quórum, estudei o processo. Então sugiro que a senhora adie para a próxima sessão, eu me preparei, estudei o caso, fiz um destaque antecedente, então entendo que não é razoável eu não participar do quórum”, pontuou Salomão.

A revisora Ministra Nancy Andriaghi sugeriu mudar a presidência mantendo o julgamento na pauta, mas o ministro Mauro Campbell Marques ressaltou a inviabilidade desse procedimento, indicando o adiamento para que o ministro Salomão pudesse declarar seu voto.

"É indeclinável o exercício da presidência nessa situação, e o que interessa aqui é prestar uma jurisdição à altura", destacou Marques. "Caso o ministro Og não esteja presente na próxima sessão, paciência, eu assumo a presidência", indicou Salomão.

O relator do caso, ministro Francisco Falcão, acatou os argumentos dos colegas, adiando o julgamento para a próxima sessão.  A Corte Especial se reúne na primeira e na terceira quartas-feiras de cada mês, portanto, o julgamento será pautado para o dia 6 de março.

Outro caso - Chadid está afastado do Tribunal junto com outros dois conselheiros – Waldir Neves e Iran Coelho – depois da Operação Terceirização de Ouro, realizada em outubro do ano passado. Eles são investigados por beneficiar a empresa de informática Dataeasy, aditivando sucessivamente contrato milionário com ela. O afastamento foi mantido pelo ministro Falcão em junho do ano passado, após o MPF solicitar a medida.

Nos siga no Google Notícias