ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SÁBADO  11    CAMPO GRANDE 17º

Cidades

MS e GO são os únicos do Brasil sem casos confirmados de presos com covid-19

Dados do Departamento Penitenciário Nacional indicam ainda que desde o começo da pandemia, só 14 detentos apresenaram sintomas

Por Lucia Morel | 03/06/2020 17:57
Celas das unidade penais passam frequentemente por desinfecção, como na Máxima. (Foto: Divulgação Agepen)
Celas das unidade penais passam frequentemente por desinfecção, como na Máxima. (Foto: Divulgação Agepen)

Assim como o vizinho Goiás, Mato Grosso do Sul não apresenta nenhum caso confirmado ou óbito por covid-19 dentro do sistema prisional, entre os Estados do Centro-Oeste. Distrito Federal tem uma morte e 663 confirmações e Mato Grosso, 12 confirmados e duas mortes.

Ambos são ainda os únicos no Brasil sem confirmações da doença dentro dos presídios, apesar de haver outros Estados que também não registraram mortes pela doença entre os condenados à prisão.

Os dados são do Depen (Departamento Penitenciário Nacional), que monitora a situação nos presídios brasileiros e até agora, em MS, foram apenas 14 casos suspeitos identificados numa população carcerária de 17.423 presos.

Conforme os dados do departamento, a medida que mais efetivou o sucesso, foi a proibição de visitas aos presidiários, implementada em MS em 19 de março e válida até agora.

De acordo com a Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário de Mato Grosso do Sul), os resultados positivos são reflexo de uma série de medidas, somadas à suspensão de visitas.

No Estabelecimento Penal Feminino “Irmã Irma Zorzi”, em Campo Grande, todos, sem exceção, têm sua temperatura aferida antes de entrar. (Foto: Divulgação Agepen)
No Estabelecimento Penal Feminino “Irmã Irma Zorzi”, em Campo Grande, todos, sem exceção, têm sua temperatura aferida antes de entrar. (Foto: Divulgação Agepen)

Entre elas estão: implantação de contatos virtuais por videoconferência; adoção de procedimentos para a higienização de produtos e objetos que entram nas unidades, com o uso de solução sanitizante e quarentena mínima de 24 horas antes da entrega aos internos; bem como a desinfecção regular de celas, corredores e demais espaços que compõem as estruturas prisionais.

Além dessas, de forma isolada, a coordenação de algumas estruturas prisionais, adotaram outras ações, que segundo a Agepen, estuda-se ampliar às demais unidades. No Estabelecimento Penal Feminino “Irmã Irma Zorzi”, em Campo Grande, por exemplo, servidores, advogados, oficiais de justiça, terceirizados ou autoridades, sem exceção, têm sua temperatura aferida antes de entrar.

A iniciativa também já existe no Ptran (Presídio de Trânsito), estabelecimentos penais masculino e feminino de Três Lagoas e nos dois maiores presídios do estado: a PED (Penitenciária Estadual de Dourados) e o Estabelecimento Penal “Jair Ferreira de Carvalho”, mais conhecido como Presídio de Segurança Máxima.

Em presídio de Corumbá, estufa ajuda a esterelizar documentos antes de entrarem no local. (Foto: Divulgação Agepen)
Em presídio de Corumbá, estufa ajuda a esterelizar documentos antes de entrarem no local. (Foto: Divulgação Agepen)

Outra medida que deve ser ampliada é a higienização das solas de calçados, que já ocorre nos presídios de Dourados, Ponta Porã, Rio Brilhante e Três Lagoas. Instalados na portaria dos estabelecimentos prisionais, todos que adentram o local devem passar primeiro por um "tapete" de desinfecção, umedecido com solução sanitizante.

E até mesmo estufas têm sido usadas para evitar a proliferação do novo coronavírus nos presídios. No Centro de Triagem “Anísio Lima”, na Capital, e o Estabelecimento Penal de Corumbá, por exemplo, há estufas na portaria para esterilizar documentos, a uma temperatura entre 90º e 110º, por um período de meia hora antes de ser recolhido para o interior do presídio.

De acordo com a Sejusp (Secretaria do Estado de Justiça e Segurança Pública), cinco policiais foram diagnosticados com o novo coronavírus no Estado: três entre policiais civis, no interior e e um policia militar em Campo Grande.

Matéria editada às 19h42 para acréscimo de informações.