ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, QUARTA  29    CAMPO GRANDE 18º

Cidades

MS registra a maior média de casos de covid dos últimos 5 meses

Índice atual é de 702 infecções por coronavírus a cada 24 hs; em julho de 2021 esse número era de 730

Por Guilherme Correia | 10/01/2022 11:17
Estado tem vivido surto de pacientes com sintomas gripais, desde o fim de 2021. (Foto: Marcos Maluf)
Estado tem vivido surto de pacientes com sintomas gripais, desde o fim de 2021. (Foto: Marcos Maluf)

Mato Grosso do Sul registrou nesta segunda-feira (10) a maior média diária de casos de covid-19 dos últimos 178 dias, o equivalente a cinco meses e 28 dias. O índice atual é de 702 infecções por coronavírus a cada 24 horas. É o maior número desde 15 de julho do ano passado, quando havia cerca de 730 casos por dia, conforme levantamento do Campo Grande News.

Boletim epidemiológico publicado pela SES (Secretaria Estadual de Saúde) traz uma morte pela doença, e a média diária é de 1,7 óbito. Diferente do contágio da doença, os casos mais graves, que envolvem morte, estão em baixo patamar, assim como as internações em leitos clínicos ou de terapia intensiva.

Em um período de quase 10 dias, entre 31 de dezembro - 111,7 casos por dia -, e o verificado hoje, houve um crescimento de quase sete vezes no número de registros.

Em coletiva hoje, o secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende, mencionou que a baixa incidência de desenvolvimentos mais complexos de SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave) faz com que não seja necessária da suspensão de cirurgias eletivas, por exemplo, até o momento.

Vale lembrar que quase 73% da população do Estado possui primeiro ciclo vacinal completo – ou seja, recebeu duas doses ou vacina única da Janssen. Os imunizantes em uso no Brasil cumprem critérios de segurança e eficácia e são atribuídos como os responsáveis pela redução de casos graves.

Ainda que não possua confirmação oficial, a variante Ômicron do coronavírus pode estar em circulação território estadual, segundo o titular da SES, e ser até a maioria das infecções. Estudos preliminares sugerem que esta mutação seja mais contagiosa, mas que a letalidade não seja maior.

Desde o início da pandemia, mais de 385,5 mil pacientes tiveram covid, dos quais 9.743 foram a óbito.

(*) Colaborou Beatriz Magalhães

Nos siga no Google Notícias