ACOMPANHE-NOS    
JULHO, TERÇA  27    CAMPO GRANDE 22º

Cidades

'Muito confuso', avalia Fetems sobre volta às aulas 'híbridas' na rede estadual

Profesores mantém ideia de ensino todo à distância no 1º bimestre e não descartam mudanças no programa

Por Nyelder Rodrigues | 25/02/2021 19:05
Evento reunindo professores, na Fetems, antes da pandemia de covid-19 (Foto: Ascom/Arquivo)
Evento reunindo professores, na Fetems, antes da pandemia de covid-19 (Foto: Ascom/Arquivo)

O retorno das aulas na Rede Estadual de Ensino em três diferentes modelos não foi bem recebido pelos representantes sindicais dos professores em Mato Grosso do SUl. Considerado confuso, já que obrigará a adoção de metodologias de ensino diferentes em curto espaço de tempo, a volta às aulas como proposta vai contra indicativo feito anteriormente pela categoria.

Segundo o presidente da Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul), Jaime Teixeira, a forma de retorno às aulas ainda não foi apresentada à entidade.

"Achamos que ficou muito confuso, tanto para trabalhadores se adaptarem como para alunos e pais. A Ssecretaria precisa melhorar o entendimento dessa proposta", comenta Jaime.

De acordo com Teixeira, os professores mantêm a ideia de que é melhor iniciar o primeiro bimestre todo remotamente, dando tempo para que a vacinação dos professores seja realizada até o início do segundo bimestre. "Mas para isso acontecer será necessário um esforço do Governo do Estado para imunizar os professores".

Jaime ainda frisa que vai conversar amanhã (26) no período matutino conversar com a secretário estadual de Educação, Maria Cecília Amêndola da Motta, para entender melhor a proposta da pasta e buscar um diálogo sobre mudanças.

"Só depois dessa conversa e de entendermos melhor é que vamos nos manifestar mais claramente", promete Jaime Teixeira sobre a possibilidade de greve dos profissionais da educação, caso tenham que dar aulas presenciais antes de serem vacinados.

Secretário de Governo, Sérgio Murilo; superintendente de Educação, Hélio Daher; e secretária de Educação, Maria Cecília, em coletiva nesta quinta na governadoria. (Foto: Paulo Francis)
Secretário de Governo, Sérgio Murilo; superintendente de Educação, Hélio Daher; e secretária de Educação, Maria Cecília, em coletiva nesta quinta na governadoria. (Foto: Paulo Francis)

Aulas híbridas - A SED (Secretaria de Estado de Educação) anunciou nessa quinta-feira (25) como será realizado o retorno às aulas, a partir da próxima segunda-feira (1º), na rede estadual. Inicialmente, o ensino será online e vai migrar em abril para o modelo híbrido. Além disso, está previsto um 'acolhimento' no início de março.

Nas duas próxima semanas, os alunos deverão ser recebidos presencialmente nas escolas estaduais de Mato Grosso do Sul para conhecerem os professores e entenderem como será a dinâmica híbrida de ensino, que mistura aulas online com presenciais.

"O aluno vai um dia só na escola na primeira semana para conhecer os professores, eles poderão tirar dúvidas com professores sempre que quiserem na escola, isso avisado antecipadamente", explica superintendente da SED, Hélio Daher.

Ele e a secretária Maria Cecília conversaram hoje pela tarde com a imprensa, em entrevista coletiva realiza na governadoria. Eles apontaram que as duas semanas de acolhimento serão com 1/5 dos alunos por dia, por unidade de educação.

A ida à semana de acolhida será facultativa, sendo que não haverá problemas se os pais não quiserem mandar os filhos. Conforme a SED, o ensino híbrido a partir de abril está garantido, a não ser que o número de casos de covid-19 volte a subir localmente.

"Se continuarem os dados da covid como está agora, será híbrido, independente de ameaças de greve dos professores", comentou o superintendente sobre movimento da categoria para que as aulas presenciais – ainda que híbridas – voltem somente depois que todos os professores estejam vacinados.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário