ACOMPANHE-NOS    
MAIO, SÁBADO  21    CAMPO GRANDE 14º

Cidades

Policiais, bombeiros e mais 10 categorias passam por reestruturação

Mudanças vão possibilitar reajustes que passam dos 10% lineares anunciados pelo governador

Por Nyelder Rodrigues e Gabriela Couto | 16/11/2021 12:01
Presidente da Alems, Paulo Corrêa segura projetos enviado pelo Executivo; ao seu lado, estão Reinaldo Azambuja e Eduardo Riedel. (Foto: Kísie Ainoã)
Presidente da Alems, Paulo Corrêa segura projetos enviado pelo Executivo; ao seu lado, estão Reinaldo Azambuja e Eduardo Riedel. (Foto: Kísie Ainoã)

Policiais militares, civis e integrantes do Corpo de Bombeiros, além de outras 10 categorias, devem ver em breve suas carreiras reestruturadas, já que nesta terça-feira (16), o Governo do Estado apresentou 15 projetos para análise da Assembleia Legislativa, sendo 13 deles de reestruturação de carreiras.

O anúncio de mudanças nessas categorias - que incluem também administrativos da educação pública básica, administrativos da UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul) e Controladoria-Geral do Estado - foi feito pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB), durante a divulgação do reajuste de 10% para os servidores.

"Vamos seguir conversando com outras categorias, pois as conversas são permanentes em nossa gestão", frisa Reinaldo, ao falar sobre as negociações para definir os índices. Apesar da revisão salarial linear de 10%, a incorporação de abono salarial de R$ 200 e readequação de carreiras devem fazer com que os valores aumentem.

Contudo, tal mudança não será linear, nem mesmo dentro da própria carreira - como ocorrerá com os administrativos da educação, conforme já antecipado pelo Campo Grande News, com valores que vão de 14,4% a até 17,8%. O detalhamento deve ser feito apenas na quarta-feira (17), às 15h, na própria Assembleia Legislativa.

Lista mostra o quanto valores de reajuste devem chegar para os administrativos da educação. (Arte: Thiago Mendes)
Lista mostra o quanto valores de reajuste devem chegar para os administrativos da educação. (Arte: Thiago Mendes)

"Pela lei, nenhum reajuste pode ser dado depois de 2 de abril, então em tese as conversas podem acontecer até lá", explica a presidente do Sindicato dos Servidores de Mato Grosso do Sul, Lilian Fernandes. A entidade pede acréscimo do vale-alimentação no salário dos servidores, chegando aos R$ 500.

A expectativa é que em até 15 dias, as questões levadas pelo Poder Executivo para análise do Legislativo sejam votadas, conforme previu o presidente da Assembleia, Paulo Corrêa. O governador pediu atenção aos deputados sobre os projetos. "Esse reajuste só será possível, pois projetamos um crescimento de nossa economia em 2022".

Nos siga no Google Notícias