A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 19 de Novembro de 2019

22/10/2019 11:53

Rodovias federais em MS tem 84,6% de trechos que vão de péssimo a regular

Ondulações, curvas perigosas, trechos sem acostamento ou sinalização foram identificados em 3,7 mil quilômetros em MS

Silvia Frias
Trecho da BR-060, sem obras por 20 anos, foi licitado em julho deste ano e que passaria por revitalização (Foto/Reprodução)Trecho da BR-060, sem obras por 20 anos, foi licitado em julho deste ano e que passaria por revitalização (Foto/Reprodução)

Trechos sem acostamento, ondulados, com curvas perigosas ou sem sinalização de advertência, defeitos encontrados em 3.740 de 4.421 quilômetros de rodovias federais em Mato Grosso do Sul avaliadas em pesquisa pela CNT (Confederação Nacional dos Transportes).

Esse resultado representa índice de 84,6% em condições consideradas péssimas, ruins ou regulares, no quesito “geometria da via”, em que se leva em conta o alinhamento e uniformidade da rodovia, além de itens de segurança instalados.

O levantamento faz parte de pesquisa nacional divulgada hoje pela CNT (Confederação Nacional dos Transportes), que 24 pesquisadores avaliaram as condições de 108 mil quilômetros de estadas federais e as principais estaduais pavimentadas em todo o País, durante um mês.

Os principais quesitos avaliados foram pavimentação, sinalização, geometria da via e infraestrutura para transporte.

Em Mato Grosso do Sul, foram pesquisados 4.421 quilômetros das BRs 060, 158, 163, 262, 267, 359, 419, 436, 463, além de trechos estaduais não especificados.

Na avaliação geral, o Estado figura próximo da média nacional (41%), com classificação boa e ótima em 47,8% das vias. Porém, quando somados os índices regular, ruim e péssimo, o resultado é de 52,2%, acima do percentual geral. Neste quesito, a pesquisa nacional chegou a 59%.

Esse alto índice pode ser atribuído ao quesito geometria da via, que deve assegurar a uniformidade da via e/ou quesitos de segurança, caso não seja possível melhorias na rodovia, como, por exemplo, sinalização para alertar para curvas perigosas, redução da largura de pista e até poda da vegetação.

Neste ponto, os índices de MS ultrapassam os nacionais. Dos 4,421 quilômetros avaliados, 84,6% tiveram avaliação negativa: 3.740 quilômetros foram considerados de qualidade péssima (43,8%), ruim (14,4%) e regular (26,4%). Apenas 681 quilômetros foram qualificados pelos técnicos como bom (14,9%) ou ótimo (0,5).

No levantamento nacional, verificou-se que 76,3% da extensão avaliada, 83.031 quilômetros, apresenta algum tipo de problema na geometria da via (regular 26,6%, ruim 20,7% ou péssimo 29%).

“Há vários pontos sem acostamento, trechos com curvas perigosas sem defensas e sem sinalização de advertências além de trechos ondulados ou montanhosos onde não foi identificada a presença de faixa adicional para que os veículos lentos trafeguem de forma segura”, conforme relatório.

Conforme levantamento, os pesquisadores da CNT estima a necessidade de R$ 38,60 bilhões para reconstrução e restauração das rodovias brasileiras. Em 2018, foram investidos R$ 7,48 bilhões pelo governo federal em rodovias, dos quais R$ 2,75 bilhões (36,8%) foram de restos a pagar.



Então, acho falho este relatório, pra mim é mais uma questão politica. Tem muita coisa boa por ai e não foi levado em conta, talvez seja melhor ouvir o que tem a dizer caminhoneiros e motoristas de ônibus, estes que cruzam o Brasil.
 
seuluis em 22/10/2019 12:54:44
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions