ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, DOMINGO  25    CAMPO GRANDE 26º

Cidades

Se transferido, Jamilzinho pode transformar Capital em "praça de guerra", diz MP

A fragilidade das prisões estaduais também é ressaltada em peça que analisa pedido de transferência

Por Lucia Morel | 20/11/2023 18:45
Jamil Name Filho em momento de seu julgamento no Tribunal do Júri em julho deste ano. (Foto: Henrique Kawaminami)
Jamil Name Filho em momento de seu julgamento no Tribunal do Júri em julho deste ano. (Foto: Henrique Kawaminami)

Para o Ministério Público de Mato Grosso do Sul, o pedido da defesa de Jamil Name Filho para ser transferido a sistema penitenciário estadual não deve ser acatado pela 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça. Segundo o MP, Name ainda representa perigo, poderia transformar Campo Grande em uma “verdadeira praça de guerra” e reassumiria negócios escusos “nas áreas de atuação de seu pai”.

Entre os argumentos usados pelo MP está manifestação através de ofícios de delegados de força-tarefa da Operação Omertà, que prendeu Name Filho e outros envolvidos na organização criminosa, estão “intranquilos” com a possibilidade de ele ser transferido a presídio estadual.

Caso se determine essa transferência, tal ato “tem evidente potencial de facilitar que ele ordene a prática de crimes graves em MS, especialmente atentados às vidas de autoridades públicas ligadas às investigações da Operação Omertà, que resultaram em sua prisão, e diversas condenações criminais em seu desfavor”.

O mesmo ofício enumera que sistema estadual de prisões é frágil. “(...) há uso de aparelhos de telefone celulares por meio dos quais internos coordenam “as mais variadas espécies de empreitadas criminosas”, ressaltando a deficiência no Sistema Penitenciário Estadual”, cita o MPMS.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O promotor Marcos Fernandes Sisti, da 4ª Procuradoria de Justiça Criminal, ainda ressalta que Jamilzinho já está condenado pelos crimes de liderar organização criminosa armada; ser proprietário de arsenal bélico; extorsão qualificada; e como autor intelectual do homicídio duplamente qualificado de Matheus Coutinho Xavier, “cujas penas somadas excedem 45 anos de reclusão”.

O poder financeiro de Name e seu conhecimento político também é lembrado pelo promotor, enfatizando que a organização criminosa que ele comanda possui em seu quadro diversos agentes ligados às Polícias Militar, Civil, Federal e Guarda Municipal e “é dotada de altíssimo poder econômico e bélico, bem como é notória e consolidada influência política no Estado de MS, que é voltado à execução de assassinatos de pessoas de interesse do Agravado”.

A própria direção do Presídio Federal de Mossoró se manifestou pela permanência do preso em regime de RDD. “No presente caso, a Diretoria do Sistema Penitenciário Federal entende que o referido preso ainda possui relevante potencial de desestabilizar o Sistema Penitenciário Estadual, por isto, é desfavorável ao retorno do nominado ao estado de origem, uma vez que subsistem os motivos ensejadores da inclusão”.

A manifestação do MP é em Agravo de Execução Penal feito pela defesa de Name em que se pede a transferência dele para presídio estadual, preferencialmente em Brasília (DF).

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias

Veja Também