ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUARTA  28    CAMPO GRANDE 30º

Cidades

STF vai julgar ações para equiparar licenças para mães e pais no serviço público

PGR propôs 27 processos com o objetivo de equiparar a regras para todo o funcionalismo público

Por Anahi Zurutuza | 28/11/2023 17:15
Na foto acima, uma nova família formada pela adoção. (Foto: Henrique Kawaminami/Arquivo)
Na foto acima, uma nova família formada pela adoção. (Foto: Henrique Kawaminami/Arquivo)

O STF (Supremo Tribunal Federal) vai julgar 27 ADIs (Ações Diretas de Inconstitucionalidade) com o objetivo de equiparar as legislações estaduais que concedem as licenças maternidade e paternidade para servidores dos estados e do Distrito Federal. A ideia é que todas as mães e pais solo, biológicos ou por adoção, tenham direito a seis meses de licença remunerada, enquanto a licença-paternidade seja fixada em nó mínimo 20 dias.

As mães poderão se ausentar do trabalho a partir do nono mês de gravidez ou a partir do dia do parto, da adoção ou da obtenção da guarda de uma criança.

A ações foram propostas pela PGR (Procuradoria-Geral da República) com o objetivo de garantir que a regras sejam iguais para todo o funcionalismo público, federal, estadual e municipal, seja para servidores civis ou militares. Para a PGR, “é preciso adaptar as normas aos princípios constitucionais do livre planejamento familiar, da igualdade no exercício de direitos e de deveres referentes à sociedade conjugal, da proteção integral e do melhor interesse da criança”.

Recentemente, legislação estadual foi além. A Assembleia Legislativa aprovou a licença-maternidade para servidoras da Casa de Leis contada a partir da alta hospitalar do recém-nascido e/ou de sua mãe, o que ocorrer por último.

Nos siga no Google Notícias