ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, SEXTA  12    CAMPO GRANDE 24º

Cidades

Terra indígena de MS passa por “diagnóstico” para construção da Nova Ferroeste

Traçado do modal ferroviário passará próximo ao campamento Pakurity, povo Guarani estabelecido em Dourados

Por Jhefferson Gamarra | 26/02/2024 13:47
Indígenas reunidos durante apresentação dos coordenadores da Nova Ferroeste (Foto: Divulgação/Governo PR)
Indígenas reunidos durante apresentação dos coordenadores da Nova Ferroeste (Foto: Divulgação/Governo PR)

A segunda etapa dos estudos indígenas relacionados à Nova Ferroeste está em andamento, com a análise detalhada da rotina e cultura de três áreas indígenas no Paraná e uma no Mato Grosso do Sul. A Funai (Fundação Nacional dos Povos Indígenas) solicitou a inclusão das Terra Indígenas: Tupâ Nhe Kretã (na Serra do Mar, em Morretes-PR), Boa Vista (Nova Laranjeiras-PR) e Guasú Guavirá (Guaíra-PR) e o acampamento Pakurity, povo Guarani estabelecido em Dourados.

Uma equipe do Governo do Paraná, juntamente com representantes da Funai de Brasília e dos escritórios regionais do Paraná e Mato Grosso do Sul, esteve presente nas aldeias entre janeiro e fevereiro para estabelecer diretrizes em conjunto com os caciques. O procedimento adotado nesta fase segue a abordagem utilizada em 2022 na Terra Indígena Rio das Cobras, que abrangeu 10 aldeias e mais de 3 mil habitantes.

Os trilhos da Nova Ferroeste estão previstos para passar próximo ao limite dessas terras, situadas num raio de até 5 km do traçado proposto. A avaliação incluiu a organização territorial, política e sociocultural, realizada pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas ).

A equipe multidisciplinar, composta por antropólogos, biólogos, sociólogos e historiadores, realizou oficinas e mapeamentos, além de encontros coletivos e entrevistas individuais para compreender as mudanças desencadeadas pela proposta do empreendimento.

Valdir Schwengber, coordenador dos estudos, destaca que o diagnóstico consiste em um amplo raio-x da comunidade, do modo de vida e organização, bem como das fontes de obtenção de recursos e maiores dificuldades.

"Quando entendemos o modo de vida, avaliamos os potenciais impactos da Nova Ferroeste no seu cotidiano. A partir disso, elaboramos as ações que devem ser feitas para mitigar ou compensar as mudanças", explicou o coordenador.

O ECI (Estudo do Componente Indígena) faz parte do licenciamento ambiental, realizado junto ao Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis). Órgãos como o Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) e o Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) já emitiram pareceres favoráveis ao empreendimento.

Luiz Henrique Fagundes, coordenador do Plano Estadual Ferroviário, explica que, quando a Funai identificou a necessidade de novos estudos indígenas, a equipe realizou visitas técnicas ao longo do traçado para identificar comunidades próximas à futura linha férrea. "A partir daí, foi elaborado um plano de trabalho que coube ao Governo do Paraná executar."

A Nova Ferroeste, que visa conectar Paraná, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina, tem como objetivo transformar o Estado em uma grande central logística e promover uma redução de 30% no transporte de insumos e produtos, incluindo principalmente grãos e proteína animal.

O leilão do projeto ferroviário, agora programado para 2025, permitirá que a empresa vencedora construa e explore o empreendimento por um período de 99 anos, com um lance mínimo estabelecido em R$ 110 milhões.

Mapa da expansão da Nova Ferroeste, que inclui os estados do Paraná, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina (Imagem: Reprodução/Governo PR)
Mapa da expansão da Nova Ferroeste, que inclui os estados do Paraná, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina (Imagem: Reprodução/Governo PR)


Nos siga no Google Notícias