ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEGUNDA  22    CAMPO GRANDE 31º

Cidades

Violência entre facções faz de Dourados líder de homicídios em MS

Ipea e Forum Brasileiro de Segurança Pública levam em consideração cidades com mais de 100 mil habitantes

Por Dayene Paz | 18/06/2024 13:28
Bar onde Mário Sérgio foi morto com tiro na cabeça, em Dourados. (Foto: Sidnei Bronka)
Bar onde Mário Sérgio foi morto com tiro na cabeça, em Dourados. (Foto: Sidnei Bronka)

A segunda maior cidade de Mato Grosso do Sul, Dourados, distante cerca de 251 quilômetros de Campo Grande, lidera o ranking de homicídios no Estado. Para a pesquisa do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), o aumento da violência está ligado a guerra entre facções criminosas na disputa pelo tráfico de drogas, crime que predomina na região de fronteira. Lembrando que Dourados fica a 120 km de Ponta Porã, que faz fronteira com o Pedro Juan Caballero, no Paraguai.

Os dados  do Atlas da Violência, relatório produzido anualmente pelo Ipea em parceria com o FBSB (Fórum Brasileiro de Segurança Pública), levam em consideração municípios com mais de 100 mil habitantes. Ou seja, a taxa de crimes em todas cidades de Mato Grosso do Sul não foi divulgada.

O relatório mostra que Dourados registrou 69 assassinatos no ano de 2022, sendo que 46 foram registrados e 23 aparecem como "ocultos". Ou seja, a cidade tem 28,4% dos homicídios a cada 100 mil habitantes. A população local é de 243,3 mil. Na sequência, aparecem: Campo Grande (898,1 mil habitantes e 19,8% dos homicídios a cada 100 mil habitantes) e Três Lagoas (132,1 mil habitantes e 17,4% dos homicídios a cada 100 mil habitantes).

O Atlas Brasil define como “homicídios ocultos” as mortes violentas registradas sem a definição da causa, mas que têm características semelhantes às de assassinatos.

Para a pesquisa, Ponta Porã fazer fronteira com Pedro Juan Caballero, que ocupa posição estratégica como entreposto do narcotráfico internacional de drogas, contribui com o avanço da taxa de violência, cenário também de disputa entre as facções criminosas CV (Comando Vermelho) e PCC (Primeiro Comando da Capital).

Em abril deste ano,  Mário Sérgio de Oliveira Matos, de 35 anos, foi assassinado a tiros em um bar na Rua Filomeno João Pires, no Parque das Nações I, região leste de Dourados. Dois homens foram presos pelo crime e estão ligados a facções criminosas. Um dos presos pelo assassinato, Rafael Gonçalves Florentino, é apontado como líder da “oposição” ao PCC fora da PED (Penitenciária Estadual de Dourados).

O relatório do Ipea também aponta o vizinho, Mato Grosso, como o estado do Centro-Oeste brasileiro com as taxas mais altas da violência. Sorriso (MT) teve taxa de 70,5 homicídios (7ª colocação nacional), bastante acima das taxas das capitais da região, todas abaixo de 20 homicídios por 100 mil habitantes.

Números regionais - Pelas estatísticas da Sejusp-MS (Secretaria de Estado de Justiça de Mato Grosso do Sul), Três Lagoas registrou 24 homicídios nos anos de 2023 e 2024. Dourados registrou 43 homicídios e Campo Grande, 169. Os registros regionais são referentes a uma totalidade, sem considerar o número de habitantes nos municípios.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias