A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 18 de Setembro de 2018

23/05/2018 09:26

Advogado de PM tenta acesso a detalhes de mandado de busca e apreensão

Força-tarefa investiga a Máfia do Cigarro em Mato Grosso do Sul e na semana passada mirou policiais militares envolvidos em esquema de pagamento de propinas para a liberação de cargas do contrabando

Anahi Zurutuza e Mirian Machado
O advogado Ronaldo Franco ao chegar à sede do Gaeco (Foto: Marina Pacheco)O advogado Ronaldo Franco ao chegar à sede do Gaeco (Foto: Marina Pacheco)

Por volta das 9h desta quarta-feira (23), o advogado Ronaldo Franco, acionado por um dos policiais militares alvos da parte 2 da Operação Oiketicus, chegou à sede do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) para tentar acesso a detalhes do mandado de busca e apreensão contra o cliente dele.

“Ele não está preso, mas deve ser ouvido”, disse o defensor, sem dar mais detalhes. O cliente, segundo Ronaldo, foi intimado a depor, mas não há data para que ele preste depoimento porque está cuidando da mãe doente.

O advogado também não quis informar qual é a patente do cliente e só disse que o mandado de busca contra o PM já foi cumprido.

Viatura da PM em frente ao Gaeco, para onde está sendo levado conteúdo apreendido na parte 2 da Operação Oiketicus (Foto: Marina Pacheco)Viatura da PM em frente ao Gaeco, para onde está sendo levado conteúdo apreendido na parte 2 da Operação Oiketicus (Foto: Marina Pacheco)

A operação – O Gaeco voltou às ruas para dar continuidade à Operação Oiketicus. A força-tarefa, na semana passada, mirou policiais militares envolvidos com a Máfia do Cigarro.

O Campo Grande News apurou que desta vez serão cumpridos somente mandados de busca e apreensão. Mas a Corregedoria da PM informou estar a postos para receber PMs que porventura sejam presos em flagrante.

Até agora, 20 PMs são investigados por terem sido cooptados por cigarreiros graças a pagamentos de propinas, que variavam de R$ 2 mil mensais a R$ 100 mil, para que cargas de cigarros contrabandeados pelas estradas de Mato Grosso do Sul, segundo relatório do Gaeco que fundamentou a ação.

Os valores de pagamentos foram verificados ao longo de apurações iniciadas em abril de 2017 e de meses de interceptações telefônicas, sendo fundamentados graças à evolução patrimonial de alguns dos suspeitos.

A Oiketicus foi deflagrada no início da manhã de quarta-feira, 18 de maio, em 14 cidades de Mato Grosso do Sul, a maioria delas localizada na rota do contrabando de cigarros. Oiketicus é um inseto conhecido popularmente como “bicho cigarreiro”.

Ao todo, foram 21 presos. Ao longo do dia, 20 PMs foram levados para a Corregedoria da Polícia Militar, três oficiais e 17 praças. O 18º praça se apresentou à noite. Todos foram encaminhados para celas do Presídio Militar Estadual.

A força-tarefa do Gaeco, a “tropa de elite” do MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), também cumpriu 45 mandados de busca e apreensão.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions