A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 21 de Junho de 2018

12/03/2018 22:58

Agências dos Correios reabrem nesta terça-feira após fim da greve em MS

Menos de 24 horas após a paralisação, funcionários em MS decidem voltar ao trabalho.

Adriano Fernandes
Funcionários durante protesto, esta manhã (12) no centro de distribuições dos Correios em Campo Grande. (Foto: Mirian Machado) Funcionários durante protesto, esta manhã (12) no centro de distribuições dos Correios em Campo Grande. (Foto: Mirian Machado)

Os servidores dos Correios voltam a trabalhar normalmente nesta terça-feira (13) pelo Estado. Os trabalhadores chegaram a um consenso, durante assembleia na sede do Sintect-MS (Sindicato dos Trabalhadores dos Correios de Mato Grosso do Sul), realizada no final desta tarde (12) em Campo Grande.

“Eles voltam ao trabalho, enquanto aguardam uma decisão da Federação Nacional da categoria”, se posicionou o sindicato, por meio de assessoria de imprensa. O fim da greve em MS foi decidido depois que Tribunal Superior do Trabalho (TST) decidiu, que os empregados dos Correios e seus dependentes é quem deverão pagar mensalidade para manter os planos de saúde.

A greve continua em outros estados mas ainda conforme o Sintect-MS, nesta terça-feira (13), assembleias serão realizadas por outras cidades do país para que seja definido o andamento da greve. 

Em MS, cerca de 10 agências em pelo menos 20 cidades foram afetadas pela paralisação.

A greve - A paralisação é nacional e tenta defender o acordo coletivo, que ainda está no prazo. A direção dos Correios entrou com um pedido de dissídio no TST (Tribunal Superior do Trabalho) pedindo alteração na cláusula que trata do Plano de Saúde dos Trabalhadores. A mudança exclui pais e mães da assistência.

Além da alteração no plano, os trabalhadores apontam suspensão de férias de todos os funcionários e desligamentos por meio de Planos de Demissões Incentivadas. O Correios de Campo Grande se posicionou por meio da assessoria de imprensa admitindo que a greve é um direito do trabalhador,mas que desta vez poderia agravar a situação dos funcionários.

A empresa destacou ainda que a paralisação afeta não apenas a empresa, mas também os próprios empregados. Conforme a nota, o Correios disse que aguarda uma decisão do tribunal para tomar as medidas necessárias, mas ressalta que já não consegue sustentar as condições do plano, concedidas no auge do monopólio, quando os Correios tinham capacidade financeira para arcar com esses custos

 

Estados e municípios são os que mais contribuem para sustentar SUS
Entre 2002 e 2015, o governo federal foi a esfera de gestão que mais utilizou recursos do Sistema Único de Saúde (SUS), seguido pela esfera municipal...
Mega-Sena acumula de novo e pode pagar até R$ 38 milhões no sábado
O prêmio da Mega-Sena acumulou mais uma vez, depois do sorteio desta noite (20) e pode pagar até R$ 38 milhões, na próxima rodada. As sequências sort...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions