A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 14 de Agosto de 2018

09/02/2011 08:21

Álcool, drogas e violência no presídio de Amambai são motivo de denúncia do MPE

Ricardo Campos Jr.

Local foi classificado como caótico

A falta de recursos de pessoal e estrutura física no EPAM (Estabelecimento Penal de Amambai) motivaram uma Ação Civil Pública do MPE (Ministério Público Estadual) contra o governo do Estado e Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário). O presídio é classificado como caótico, e de acordo com o documento, o local é usado pelos presos para consumo de drogas e álcool.

Segundo o MPE, a carência de controle é evidenciada por episódios de violência praticada pelos detentos nos momentos em que saem do presídio.

A ação foi apresentada pelo promotor de Justiça Eteócles Brito Júnior e pelo defensor público Marcelo Marinho. As péssimas condições dos regimes aberto e semiaberto vão contra a Lei de Execuções Penais, de acordo com o documento.

O documento foi protocolado na última segunda-feira (7) e pede o deferimento para os pedidos de abertura de concurso público para contratar pelo menos 20 agentes penitenciários em até 60 dias.

A ação exige ainda que o governo e Agepen elaborem projeto para dar início à licitação para construir um presídio agrícola ou industrial na região para abrigar os detentos no prazo de 150 dias.

Segundo o MPE, o Estado tem uma área cedida pelo município para a implantação estruturas de albergue destinadas aos presos do regime aberto, que apenas pernoitam nos estabelecimentos penais. Cabe ao Estado providenciar essas instalações.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions