A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

16/03/2012 08:07

Aos poucos, alunos voltam às aulas; paralisação continua em 70% das escolas

Paula Maciulevicius

Segundo a Fetems, paralisação no interior o índice é ainda maior, de 90%

Em frente à escola municipal Arlindo Lima, pais e alunos comentavam os prós e contras do movimento.(Foto: Marlon Ganassin)Em frente à escola municipal Arlindo Lima, pais e alunos comentavam os prós e contras do movimento.(Foto: Marlon Ganassin)

Na manhã desta sexta-feira a movimentação em frente às escolas públicas foi, aos poucos, tomando forma. Diferente dos outros dias, por volta das 7h da manhã o que se via eram alunos e pais retornando à rotina. Segundo a Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação) a paralisação continua em 70% das escolas da Capital, no interior o índice é ainda maior, de 90%.

Em frente à escola municipal Arlindo Lima, pais e alunos comentavam os prós e contras do movimento. “Do ponto de vista do aluno não é bom, mas infelizmente a coisa só se resolve assim, com paralisação. Olhando por esse ângulo a reivindicação deles é justa, as autoridades não valorizam”, diz o microempresário Moisés Batista da Silva, 40 anos, pai de um aluno de 6 anos.

A escola informou que aderiu ao movimento apenas nessa quinta-feira (15), mas que todos os alunos e pais estavam avisados.

“Foi bom pelo falo de que eles fizeram isso por todos, não só por eles, mas pela educação”, defendeu a estudante do 9° ano, Keila Garces, 13 anos.

A mesma opinião é compartilhada pela assessora Gisele Xavier, 29 anos. Mãe de uma filha de 6 anos, hoje ela trazia a menina de volta à escola, depois de explicar em casa a importância da paralisação.

“Ela perguntou e eu falei que é uma reivindicação justa pela carga de horas que eles tem e também a tarefa de lidar não só com o teórico, mas o psicológico também”, conta.

Para alguns pais, reivindicação foi justa. (Foto: Marlon Ganassin)Para alguns pais, reivindicação foi justa. (Foto: Marlon Ganassin)

A avó Nadir de Oliveira, 58 anos, foi quem trouxe os netos de volta à escola. A mais velha, Jéssica Guidini, 9 anos, disse que sabia o motivo da paralisação e nem se incomodava em ter que repor aula, mesmo que fosse aos sábados.

“Não tem nem o que falar, se eles estão ganhando mal, precisam parar, é importante”, ressaltou dona Nadir.

Paralisação - Mais de 10 mil trabalhadores em educação de todo o Mato Grosso do Sul tomaram as ruas de Campo Grande, nessa quinta-feira, na luta por melhorias na educação pública brasileira. A passeata organizada pela Fetems saiu da praça do Rádio Clube, na Afonso Pena, como parte da mobilização.

Desde quarta-feira, escolas da rede pública pararam para reivindicar a aprovação do PNE (Plano Nacional de Educação), aplicação na íntegra da lei do piso, a destinação de 10% do PIB (Produto Interno Bruto) para a educação e 1/3 da carga horária voltada para a hora atividade para planejamento de aulas.

Indenizações por morte no trânsito crescem 24% em relação a 2016
O número de indenizações pagas pelo Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (Seguro Dpvat) entre janeiro e novemb...
ANS regulamenta novas regras de compartilhamento para planos de saúde
A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) publicou duas resoluções normativas na tentativa de dar mais segurança e estabilidade ao mercado de pla...
UFMS recebe inscrições para vários cursos no Vestibular 2018
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...


Que bom que a sociedade está entendendo que não é só o "segmento escola" que deve correr atrás da melhoria do ensino público! Uma boa escola certamente formará uma boa sociedade e é atrás disto que estamos (nós educadores) correndo. Às vezes, pessoas/segmentos alheios aos processos que movem a educação, não entendem, mas, basta comparar com outras atividades e verificar como elas evoluem.
 
Valdemir Contiero em 16/03/2012 10:00:20
O japão e a coréia do Sul, são hoje grandes potências por terem valorizado muito mais a educação do que por ex, os super salários de políticos.
 
antonio Costa em 16/03/2012 09:04:17
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions