A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

05/12/2008 11:36

Brasil começa testar hoje vacina contra a leishmaniose

Redação

O Brasil começa hoje (5) os ensaios clínicos da vacina contra a leishmaniose, doença que ataca os seres humanos e os animais por meio de parasitas que se alojam nas vísceras, como o fígado e o baço. Inicialmente, as vacinas serão aplicadas nas áreas endêmicas, mais concentradas na Região Nordeste, com l.810 notificações em 2006, de um total de 3.433 casos em todo o país.

O anúncio foi feito no Instituto Butatan, em São Paulo, pelo presidente da Fundação Butatan, Isaias Raw, e pelo pesquisador Steven Reed, do Infetology Disease Res, Institute (Irdi), sediado em Seattle, nos Estados Unidos, que está disponibilizado os lotes iniciais produzidos naquele país. Os ensaios serão realizados com a combinação de duas vacinas e outros adjuvantes, segundo nota divulgada pelo Instituto Butantan.

Esses trabalhos envolvem investimento de R$ 2 milhões em sistema de parcerias, que incluem, além do laboratório norte-americano, o Instituto Butatan, programa Fapesp (Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paulo) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A expectativa é de vacinar 30 milhões de cães durante a campanha anual de vacinação contra a raiva. O Instituto Butatan pretende investir R$ 5 milhões na nova fábrica.

Segundo comunicado do Instituto Butatan, a vacina deverá ser submetida ao controle do Ministério da Agricultura, depois de respondida questões como: quantas doses do medicamento serão necessárias para imunizar cada cão, por quanto tempo a vacina será ativa e qual a forma mais econômica de produzi-la levando em conta o universo a receber as doses.

Conhecida também por calazar, essa doença é provocada pelo protozoário da família Tripanosoma, gênero Leismania e espécie leishmania chagasi, que evolui no interior do tubo digestivo do inseto transmissor, conhecido como mosquito-palha, birigui, asa-branca, tatuquira e cangalhinha e nome científico de lutzomyia longipalpis. A transmissão da doença ocorre por meio da picada desse inseto, que tem hábitos noturnos e vespertinos. Quandosugam o sangue de animais infectados, esses insetos acabam levando a doença para os seres humanos.

Como atacam as vísceras, atingindo, por exemplo, o fígado e o baço, um dos sintomas é o inchaço abdominal, além de febre, emagrecimento, complicações cardíacas e circulatórias, desânimo, abatimento extremo, apatia e palidez. Na América Latina, há relatos da doença em 12 países e 90% dos casos são registrados no Brasil. De acordo com a Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo, a doença vem se disseminando a partir de focos isolados do Nordeste para outros regiões do país, com surtos verificados no Norte, Centro-Oeste e Sudeste. Em São Paulo, há casos em humanos desde 1999.

Por enquanto, não há vacina para evitar a doença. Por meio do Sistema

MEC deve homologar Base Comum Curricular na próxima quarta-feira
O Ministério da Educação informou que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada hoje (15) pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), deve ser ...
Presos da penitenciária federal da Capital são julgados por crime em RN
Um preso custodiado no presídio federal de Campo Grande foi julgado, ao lado de outros três homens, na quinta-feira (14) e nessa sexta-feira (15) por...
Governo Federal reduz período do horário de verão para 2018/19
O presidente Michel Temer assinou hoje (15) um decreto reduzindo em duas semanas o horário de verão em 2018. No ano que vem, a medida começará a vale...
Inscrições para o Vestibular 2018 da UFMS seguem abertas
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions