A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

12/02/2011 09:10

Candidatos ao Conselho Tutelar dizem que prova foi “piada”

Danúbia Burema

Questão de informática pedia para ligar a imagem ao nome da figura

Candidatos a conselheiros tutelares criticam a prova aplicada na quinta-feira em Campo Grande que, apesar de direcionada ao nível superior, tinha até questões que pediam para ligar a imagem ao nome da figura correspondente.

Várias reclamações foram feitas pelos candidatos, que temem se identificar e ser prejudicados no processo. Entre as principais críticas está o fato de ter sido concedido ponto pela frequência no curso de uma semana oferecido antes da prova, o que fez com que pessoas com média abaixo de 6 fossem aprovadas após o incremento da nota.

Para os participantes, várias pessoas estão sendo 'passadas' na seleção mesmo sem atingir a nota necessária, para depois tentarem conseguir a vaga por meio da eleição que é a fase final do processo.

Outras críticas são que pessoas reprovadas na primeira fase conseguiram passar para a segunda por uma “revisão” na prova, que acabou alterando as notas dos demais candidatos depois de corrigidas respostas erradas que haviam sido consideradas certas.

As questões de informática que representaram o ‘estopim’ para as reclamações foram elaboradas pelo IMTI (Instituto Municipal de Tecnologia da Informação) e o processo de seleção dos novos conselheiros, que ocorre a cada três anos, é organizado pelo CMDCA (Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente).

Em uma das questões polêmicas, aparece o desenho da barra de tarefas do computador e se pede para ligar ao nome ‘barra de tarefas’, segundo descreveram os candidatos, que reclamaram de a seleção não conter teste prático de informática.

“Quando eu olhei comecei a rir”, disse uma das candidatas que pediu para não ser identificada. Ela detalha que alguns dos participantes “passados” para outras fases sequer sabem digitar no computador, mas se forem eleitos terão que usar sistema específico para reunir informações sobre os casos atendidos no conselho.

Conforme os participantes, houve diferenças nas provas aplicadas pela manhã e na tarde de ontem. Enquanto uma tinha questões de múltipla escolha e de ligar nome à figura, a outra era basicamente dissertativa.

Pelo processo de seleção são oferecidas 15 vagas imediatas com salário de quase R$ 2 mil e outras 30 vagas para suplentes. Os candidatos são submetidos a cinco etapas de seleção e na próxima semana será a última fase, de teste psicológico.

Depois, eles irão a votação popular que, conforme os organizadores, deve ocorrer em abril. O mandato dos conselheiros é de três anos. No último pleito, foram contabilizados 10 mil votos.

Organização – O presidente do CMDCA explica que, diferente de 2008, neste ano não está sendo feito concurso, mas processo de seleção para o conselho, por isso os procedimentos são diferenciados.

Ele detalha que os candidatos participaram de um curso explicativo sobre o papel do conselho, Estatuto da Criança e do Adolescente e Constituição Federal, que durou uma semana. Nesse curso eles precisam de 75% de frequência e 70% de aproveitamento.

“Quem não alcançar os 70% está fora”, garante Donizetti, que reconhece terem sido dados até dois pontos na média dessa fase apenas pela presença nas aulas.

Ele conta que alguns candidatos recorreram dessa fase e conseguiram pontuação mais favorável. Com a nova correção, alguns tiveram nota diminuída e os que ganharam o direito de ir para a segunda fase foram avisados por telefone.

Questionado sobre a presença de candidatos parentes dos organizadores, ele diz que “não tem nada a ver”, pois isso não é proibido pelo edital. Ele apenas destaca que não podem assumir as vagas pessoas com parentesco. “Isso aí (concurso) é eleição, é aberto ao público, todo o mundo tem direito”, afirma.

Na próxima segunda-feira, os aprovados nessa etapa terão o nome publicado no Diário Oficial e deverão passar pela última fase de seleção antes de irem a votação pública.

Recorrer - A Prefeitura foi procurada para revelar o teor da prova de informática e informou que não pode disponibilizar o material. Os candidatos também não puderam levar o caderno de perguntas nem gabarito, pois a prova foi corrigida na hora e ficou com a organização.

Apesar de não disponibilizar a prova, a administração municipal ressalta que candidatos que se sentirem prejudicados poderão recorrer do resultado do processo de seleção.

Câmara Federal regulamenta carreira dos agentes comunitários de saúde
Com a presença de agentes comunitários nas galerias da Câmara, os deputados federais concluíram hoje (12) a votação do projeto de lei que regulamenta...
Anvisa libera serviço de vacinação em farmácias de todo o país
Farmácias e drogarias de todo o país vão poder oferecer o serviço de vacinação a clientes. A possibilidade foi garantida em resolução aprovada hoje (...


concordo!!! tem que fazer uma lei que estabilize nivel súperior a prova escrita, psicologo, dai sim votação, No rio de janeiro outras cidades os editais falam que para concorrer o candidato deve acertar no minimo 50% das questoes em outros 60% e em outros 70% QUANDO FALAM QUE NO BRASIL A LEI FUNCIONA SÓ MESMO NO PAPEL...É DIFICIL ...
PARA CONCORRER A CONSELHO TUTELAR É NECESSARIO LEI, ou seja, maior de 21 anos, residir no município, e não antecedentes criminais, pode ser candidato. Então o que deveria acontecer primeiro, é uma alteração na Lei, já que se fala em ter qualidade profissional daqueles que trabalharão num cargo de tamanha responsabilidade
 
oliveira alves em 16/03/2012 10:03:11
Antes de qualquer crítica ou palpite, deve ser lembrado que existe a LEI, e o que está na LEI, é que, os Conselheiros Tutelares devem ser eleitos pela sociedade, e ponto. Por isso os outros critérios, são estabelecidos por cada município, (Lei municipal) como aqui em Campo Grande que criaram essas etapas, de avaliações, teórica, informática, psicológica e eleição, ou seja, está péssima a qualidade do processo de escolha, está, mas bem melhor e à frente do que em outros municípios do estado e no restante do Brasil, onde na maioria destas cidades os candidatos podem ser, QUALQUER, isso mesmo, qualquer cidadão que esteja dentro do previsto na LEI, ou seja, maior de 21 anos, residir no município, e não antecedentes criminais, pode ser candidato. Então o que deveria acontecer primeiro, é uma alteração na Lei, já que se fala em ter qualidade profissional daqueles que trabalharão num cargo de tamanha responsabilidade. Se a LEI exigisse mais, aí sim, teriam somente candidatos de nível superior em TODOS os municípios do país, que fossem todos de nível superior, graduados nas áreas compatíveis com a atuação do Conselheiro Tutelar (proteção, defesa dos direitos da cça e adolescente), ou seja, psicólogos, pedagogos, graduados em direito, assistentes sociais, com experiência comprovada, e não falsificada como há aqui mesmo em Campo Grande, que sabemos que tem até recém formados no processo de seleção, ou seja, que experiência que tem desde dezembro, que foi quando saiu da faculdade?!
Se em Campo Grande, na LEI Municipal está previsto que se tenha nível superior, vejam bem (o que não está na Lei Federal), porque então não se exigiu mais ainda, especificou-se as áreas de atuação, para que tivessem realmente candidatos aptos ao cargo, e ressaltando, se exige, tem que remunerar bem também, pois na Lei Municipal estipula-se também a carga horária de atendimento do Conselho Tutelar, como em cidades do interior por exemplo, que tem Conselho Tutelar que funciona meio período, de acordo com a demanda da cidade, ESTÁ NA LEI Municipal deles, bem como a remuneração também varia, sabiam que tem cidade do interior do nosso estado (com 20.000 hab) pagando para o Conselheiro Tutelar de Nível Médio R$2.400,00 ?!! Então pesquisem, pois tem. E aqui em CG a Lei Municipal prevê funcionamento de 8h/dia, e plantões noturnos diariamente e em finais de semana e feriados, ou seja, numa capital (800.000 hab) que tem dois Conselhos Tutelares, portanto 10 Conselheiros, (para atender a cidade toda), com plantões noturnos e nos finais de semana, exigindo profissionais de nível superior, mas ganhando R$ 1.500,00 reais!? porque é esta a REAL remuneração, acham mesmo que é ótimo?! e pode-se exigir ótimos profissionais? Em TODAS as secretarias, municipais e estaduais em CG, temos funcionários trabalhando 8h/dia e até 6h/dia (nível médio e superior), com horário p/chegar e com hora para sair, por esse mesmo valor, e até mais, e eu posso afirmar, pois sou funcionária pública. Portanto bem diferente de um Conselheiro Tutelar, que tem horário para chegar mas não tem horário para sair do seu trabalho, é criticado por muitos que não conhecem a realidade daquele trabalho, e até ameaçado de morte muitas vezes. Então se quer exigir, há que se valorizar o cargo, para atrair pessoas capacitadas, competentes e dispostas a se doar a esta função tão importante e desgastante, mas então, inclusive remunerando-se bem sim.
Antes de falar, criticar ou julgar, tem que se conhecer do que está falando, então que todos cidadãos, LEIAM o que está previsto na LEI FEDERAL e municipal (do seu município), para daí sim poder EXIGIR, palpitar e até criticar.
 
Renata Costa em 12/02/2011 11:10:06
Com relação ao Conselho Tutelar, gostaria apenas de dizer, que as pessoas antes de concorer o cargo de conselheiro consultase os critérios para escolha dos conselheiros, Art. 133 e 134 da Lei federal n 8.069/90 para que o CMDCA, não faça exigência maior que a lei deral.
que os conselheiros sabam exatamente sua fuñções e ponha vardadeiramente em prática ( Exemplo Art. 95 da da mesma Lei) e da mesma forma CMDCA faça realmente sua parte e conheça melhor os Artigos 86, 87,88,890, principalmente o fundo estadual e municipal, não como está e sim como manda lei, só assim a política da criança e do adolescente poderar melhorar, principalmente a política do adolescnet em conflito com a Lei e outras coisas do mesmo gênero e parar de ipocresia.
 
José Fagundes da Silva em 12/02/2011 10:20:55
Para ser um bom Conselheiro Tutelar não é simplesmente ter nível superior. E muito mais do que isso, ou seja, é ter amor pela defesa dos direitos da criança e do adolescente.
Atualmente aqui em Dourados todos os cincos conselheiros têm nível superior, mas a atuação do CT é muito pífia. E porque não citar a arrogância de alguns pelo fato de ter o tão famigerado nível superior que acaba esquecendo-se do principal que é a garantia dos direito das nossas crianças e dos nossos adolescentes.
 
Jozimar Nunes dos Santos em 12/02/2011 08:45:43
Se os candidatos acharam a prova uma "piada",esperem para ver os salários,ou a dificuldade que é ser Conselheiro Tutelar em uma capital de 800mil habitantes que deveria ter no mínimo 4 Conselhos Tutelares,deveria ter vagas em creches suficientes para atender a demanda,deveria ter uma rede de proteção melhor assistida pelo poder público,deveria ter pediatra em todos os Postos de Saúde, pois temos profissionais altamente qualificados e comprometidos,no entanto a falta de meios materiais dificulta e muito um bom atendimento.No mais boa sorte aos novos Conselheiros,tragam a comunidade para mais perto do CT, visitem os bairros mais críticos, criem um CT itinerante com o apoio do Tribunal de Justiça,conversem com as lideranças de nossa sociedade,pois a sociedade ajuda muito,fica mais fácil trabalhar.
Cons. George CT Sul 2000-2003.
 
george conrado em 12/02/2011 02:19:47
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions