A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

12/01/2016 11:31

"Achei que ia morrer", diz vigia amarrado e amordaçado durante roubo

Viviane Oliveira
Vítima estava no container, quando foi surpreendido pelo assaltante. (Foto: Marcos Ermínio) Vítima estava no container, quando foi surpreendido pelo assaltante. (Foto: Marcos Ermínio)

“Antes de fugir com o carro, ele perguntou se eu queria morrer atropelado ou com tiro na cabeça”. A frase é do vigia, de 36 anos, que foi rendido por um ladrão enquanto cuidava de um prédio vazio, na Avenida Gury Marques, ao lado de uma universidade, em Campo Grande. O crime aconteceu por volta das 22h30 de ontem (11). A vítima foi obrigada a dirigir até um bairro da cidade, depois foi amarrada e amordaçada.

O vigia contou que estava na guarita, quando foi surpreendido pelo ladrão que chegou sozinho e a pé. “Ele apontou o revólver e pediu a minha arma. Falei que não trabalhava armado, foi quando pediu a chave do meu veículo Fiat Uno, que estava estacionado em frente ao barracão”, diz.

A vítima, então, foi obrigada a entrar no veículo e dirigir até o Bairro Pioneiras. “Enquanto isso, ele ficava com arma apontada para minha cabeça. Pensei que ia morrer”, conta ainda assustado com a situação. Segundo ele, apesar disso o bandido, que aparenta ter entre 25 e 30 anos, estava calmo e parecia ser experiente no ramo do crime.

Quando chegou em uma rua escura, o vigilante foi obrigado a descer e deitar no chão. Ele foi amarrado com um corda e amordaçado com uma fralda de pano do filho. Os dois objetos estavam no veículo do vigia. Antes de fugir, o bandido perguntou de que forma a vítima queria morrer. “A única coisa que se passava pela minha cabeça, era de que iria morrer a qualquer momento. Ele falava, qualquer gracinha eu te mato”.

Após ameaças, o ladrão fugiu levando o carro, cartões de banco, folha de cheque, chaves, controle de portão e vários objetos. “Depois de um tempo, consegui me soltar e pedir ajuda”. O trabalhador conta que está no ramo há 17 anos e nunca tinha passado por situação semelhante.

O local é vigiado 24 horas por dia e os vigilantes trabalham 12 por 36.“Eu trabalho à noite e vou pedir para a empresa me mudar de turno, se não conseguir vou pedir as contas e procurar emprego em outra área”, lamenta. O carro dele, de placas HSY 7610, ainda não foi localizado pela polícia. 

Conforme dados disponíveis no site da Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública, do dia 1º de janeiro até ontem (11), já foram registrados 208 casos de roubos, somente na Capital.

Vítima de sequestro relâmpago, vigia é amarrado e tem veículo roubado
Um vigia de 36 anos foi vítima de sequestro relâmpago, amarrado e teve o carro roubado por volta das 22h30 de ontem (11), na Avenida Gury Marques, no...
Homem é ferido a tiro em saída de pagode no Bairro Taquarussu
Giovani Rodrigues Barbosa, 22 anos, foi baleado no tórax na saída de um pagode, na madrugada deste domingo (18), na Avenida Presidente Ernesto Geisel...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions