ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SÁBADO  24    CAMPO GRANDE 31º

Capital

“Não deixa o cara gritar”, orientava líder do PCC durante assassinatos

Maré Alta está no sistema prisional de Mato Grosso do Sul desde 2013 e foi identificado como líder do núcleo “Geral do Estado”

Por Geisy Garnes | 28/11/2019 16:12
Marcelo, o Maré Alta, em 2013, ano em que foi preso pela Derf  por tráfico (Foto: Marcos Ermínio)
Marcelo, o Maré Alta, em 2013, ano em que foi preso pela Derf por tráfico (Foto: Marcos Ermínio)

Interceptações telefônicas feitas nas investigações da Operação Flash Back registraram orientações de Marcelo Lima Gomes, o Maré Alta, de 36 anos, a integrantes do PCC (Primeiro Comando da Capital) durante uma execução. Por telefone, o preso anuncia a “sentença de morte” e explica como o crime acontecerá. “Como se fosse suicídio”.

Maré Alta está no sistema prisional de Mato Grosso do Sul desde 2013 e foi identificado pelo Ministério Público do Estado de Alagoas como líder do núcleo “Geral do Estado”.

Dentro da organização da facção, cada estado tem um “Geral”, que é responsável por liderar as atividades criminosas, controlando e orientando os integrantes na execução de crimes, além de indicar a conduta correta a eles. Marcelo, segundo as investigações, coordenava todo esse setor, exercendo a função de “Resumo”, de dentro do Estabelecimento Penal Jair Ferreira de Carvalho, a Máxima de Campo Grande.

Entre suas “funções”, Marcelo era responsável por decretar as execuções do chamado “tribunal do crime” em todo o país. Em gravações divulgadas nesta quinta-feira (28), é possível ouvir Maré Alta decretar um dos assassinatos. “A parada é o seguinte irmão. É para concluir ai, na data de hoje chegou o decreto dele, vai ser morto esse cara ai mano”.

A conversa continua, e o líder orienta os integrantes da facção sobre como cometer o crime.

“Então a parada é o seguinte, vamos deixar a direção para vocês, entendeu mano, para fazer da seguinte forma, pega ai e tentar concluir da melhor forma certo cara. Não deixa o cara gritar, não deixa o cara correr. Porque ai a partir de agora todos vocês ai estão sob missão do Primeiro Comando da Capital, entendeu mano. Pegar ai para tentar fazer essa caminhada como se fosse ai, como suicídio, enforcamento”.

Ao fundo da ligação é possível ouvir a vítima gritar e pedir por socorro. “Ei, não deixa o cara gritar ai irmão. Não deixe o cara gritar não mano. Pega o cara, tapa a boca desse cara irmão. Mata o cara irmão”, diz Maré Alta. Em outra conversa, um integrante da facção releva a crueldade dos crimes. “Estamos arrancando tudo dele, tá ligado? Arrancando a cabeça dele”.

Segundo o Ministério Público do Estado em Alagoas, Maré Alta é o substituto de Marcos Willians Camacho, o ‘Marcola’, um dos líderes mais importantes da facção desde sua criação. O preso tem passagens por homicídio, no município de São José de Ribamar, no estado do Maranhão, e por tráfico de drogas em Mato Grosso do Sul. 

A operação – A Operação Flash Back, foi realizada nesta quarta-feira (27) e prendeu ao todo 81 envolvidos diretamente com a facção criminosa em oito estados: Alagoas, Tocantins, Pernambuco, Sergipe, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Paraná.

Na manhã de ontem, policiais do Batalhão de Choque da Polícia Militar cumpriram mandados de busca e apreensão na Máxima de Campo Grande e também na PED (Penitenciária Estadual de Dourados). Além de Marcelo, outras 12 pessoas foram alvos de mandados de prisão preventiva em Mato Grosso do Sul.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário