A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

06/11/2014 09:34

"Tropa de Choque" reforça segurança na Câmara e revolta professores

Caroline Maldonado e Kleber Clajus
Manifestantes lotam o plenário da Câmara Municipal (Foto: Marcelo Calazans)Manifestantes lotam o plenário da Câmara Municipal (Foto: Marcelo Calazans)
Professores pedem cumprimento de lei (Foto: Marcelo Calazans)Professores pedem cumprimento de lei (Foto: Marcelo Calazans)
Professore iniciam paralisação hoje (Foto: Marcelo Calazans)Professore iniciam paralisação hoje (Foto: Marcelo Calazans)

Mais de 1200 professores tomam conta do plenário da Câmara Municipal de Campo Grande na manhã desta quinta-feira (6), em protesto por reajuste salarial de 8,46%, marcando o início da paralisação, que deixará 94 mil alunos sem aulas, caso tenha adesão de toda a rede.

Com a chegada de guardas municipais formados em operações de controle de distúrbios civis, equipe similar a "tropa de choque", os professores se defenderam com vaias e gritando “aqui não tem bandido”. A reação negativa levou o comando a retirar o reforço do Plenário.

Com a sessão prestes a se iniciar, o vereador Flávio César (PtdoB), ameaçou até cancelar os trabalhos, caso os manifestantes não fizessem silêncio. Os professores bateram palmas ironizando o vereador.

“Encerraremos caso não haja condições de trabalhar, por isso pedimos para que se mantenha a ordem e disciplina”, disse Flávio. Depois de Flávio César, chegaram Chocolate (PP) Edil Albuquerque (PMDB) e Carlão (PSB), enquanto os professores ocupam o plenário com cartazes pedindo o cumprimento da lei.

O presidente da ACP (Sindicato Campo-Grandense dos Profissionais da Educação Pública), Geraldo Gonçalves disse que a categoria foi até a Câmara, porque o prefeito recuou na proposta de pagar reajuste 8,43% ontem (5).

“A categoria quer que se cumpra a leia agora.Os trabalhadores estão fazendo greve para que se cumpra a lei, que é direito dos trabalhadores e vai durar o tempo para que o prefeito resolva essa questão. Entendemos que a greve não é boa para ninguém, mas esse é o instrumento mais forte para fazer cumprir a lei”, argumentou o presidente da entidade.

Segundo Geraldo, 96 escolas podem ser impactadas pela greve inciado hoje, mas o número de unidades que estão aderindo ao movimento será divulgado amanhã (7) durante a tarde. Sobre a reposição de aulas, o presidente disse que será resolvido com a finalização da greve. “Como vai repor as aulas veremos depois”, disse.

(Matéria alterada para correção às 10h02)

Durante discussão, adolescente de 17 anos é esfaqueado pelo amigo
Um jovem de 17 anos foi levado em estado grave para a Santa Casa após ser esfaqueado na noite deste sábado, na frente da casa em que mora no Bairro G...
Após furtar obra, ladrão é capturado por moradores e ferido a tiros
Marcio Estacio Duarte Teixeira, de 31 anos, foi socorrido a Santa Casa de Campo Grande após ser atingido por dois tiros na madrugada deste domingo (1...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions