A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

12/07/2012 10:21

Abatedouro clandestino vendia carne para restaurantes de Campo Grande

Francisco Júnior e Mariana Lopes
Carne era armazenada sem higiene. (Fotos: Rodrigo Pazinato)Carne era armazenada sem higiene. (Fotos: Rodrigo Pazinato)
Instrumentos utilizados para o abate.Instrumentos utilizados para o abate.

O abatedouro clandestino fechado na manhã de hoje, em uma propriedade na Chácara da Mansões, na saída para São Paulo, vendia carne de porco para sete restaurantes de Campo Grande, segundo notas fiscais encontradas no local.

O flagrante foi feito por policiais civis da Decon (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Contra a Relação de Consumo), fiscais do Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) e Iagro (Departamento Inspeção e Defesa Agropecuária).

O dono do local, Edevaldo Veloso da Silva, 59 anos, foi preso em flagrante autuado por crime contra a saúde pública, crime ambiental, sonegação fiscal e maus-tratos a animais. Três funcionários do abatedouro, que estavam trabalhando no momento do flagrante, serão ouvidos pela Polícia.

Urubus próximo ao local onde os restos do animais mortos foram jogados. Urubus próximo ao local onde os restos do animais mortos foram jogados.
Peças de carne prontas para serem comercializadas.Peças de carne prontas para serem comercializadas.

Foram encontrados no local, 14 animais vivos e 20 abatidos em uma câmara fria prontos para a comercialização. Segundo o perito Sávio Ribas ficou caracterizado que o local abatia os animais para a venda da carne. Segundo ele, não havia criação de suínos, o proprietário comprava os animais e abatia no local.

O perito ressalta que o abate na chácara era feito de forma rústica, sem a mínima higienização possível, e ocorria já há algum tempo.

Uma cena chamou a atenção dos fiscais e policiais envolvidos na ação. Os restos dos animais eram jogados em terreno a céu aberto, juntando uma grande quantidade de urubu. Para a eliminação dos excrementos dos suínos, o proprietário construiu uma lagoa para decantação.

Para abater os animais eram utilizadas ferramentas proibidas: marreta e cachimbo (instrumento preso na garganta do porco para ele sentir dor e ficar imobilizado), situação que caracteriza maus-tratos. Os objetos estavam sujos e enferrujados, segundo o fiscal federal agropecuário do Mapa, Luiz Felipe Saldanha Ungerer.

Ele informa que o proprietário foi multado em R$ 15 mil pelo abate e pelas condições de “higiene que não existem”.

Conforme a chefe de inspeção de alimentos da Iagro, Lilian Oliveira Borges Alcântara, uma situação preocupante foi constatada no local. As vísceras dos animais mortos foram encontradas inteiras, situação que indica que os suínos não foram submetidos a qualquer teste para saber se estavam com algum tipo de doença. Segundo ela, nos frigoríficos legalizados as vísceras são abertas para verificação.

Fiscais da Iagro irão destruir o local onde acontecia o abate, depois da perícia que será realizada como parte das investigações. Após a perícia, fiscais da Iagro irão destruir o abatedouro.

Concluído, o laudo pericial e de constatação de irregularidades feito no local serão anexados ao inquérito policial.

Polícia Civil fecha abatedouro clandestino em Campo Grande
A Decon (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes contra as Relações de Consumo) fechou hoje um abatedouro irregular de bovinos em Campo Grand...
Quadrilha rende funcionários de abatedouro e rouba carro e cofre
Também foi roubado uma arma de fogoUma quadrilha rendeu três funcionários do abatedouro Frango Belo, em Itaquiraí, a 410 quilômetros de Campo Grande,...


Já que tem nota fiscal,pode-se achar os destinatarios dessas carnes e meter multar e se possivel fechar esses restaurantes,isso é um absurdo.
 
GELSON DOS SANTOS em 12/07/2012 11:13:36
Deviam informar o nome dos mercados, para que a gente nunca mais compre neles...pois eles devem saber a origem dessa carne...e mesmo assim revendem pra gente !!!!!
 
silvia cristina em 12/07/2012 10:50:50
ANTIGAMENTE QUE NÃO EXISTIA FRIGORIFICO E QUE OS ANIMAIS ERAM ABATIDOS NO MATO, NÃO EXISTIA COLESTEROL, TRIGLICERIDIOS, DOENÇAS DO CORAÇÃO COMO HOJE EM DIA. NOS DIAS DE HJ OS ANIMAIS SÃO ABATIDOS EM FRIGORIFICOS REQUINTADOS E AS PESSOAS ESTÃO MORRENDO COM VEIAS ENTUPIDAS. PERGUNTO: SERÁ QUE ESSES FRIGORIFICOS ESTÃO REALMENTE DENTRO DA LEI OU SERÁ QUE SÓ FUNCIONAM PORQUE OS DONOS SÃO PODEROSOS.
 
Milton Martins em 12/07/2012 09:12:09
O que mais existe neste ms é a venda clandestina de carne suina. Basta ir em uma feira do interior que a coisa anda solta. Em Três lagoas e em Deodapolis o que mais se tem é a venda clandestina de carne suina sem inspeção.
 
Pedro malaquias Calaberro em 12/07/2012 06:04:08
Quem nunca comeu porco ou vaca abatidos no mato levanta a mão? Parabéns a policia , tem que acabar mesmo com clandestinagem mesmo isso faz a porcada ficar em festa ! O Coxa tbem faz.
 
Luiz Felipe em 12/07/2012 04:56:45
Parabéns a todos que participaram dessa operação ..nós que temos um frigorifico de suínos em Campo Grande ficamos muitos felizes com esse desfecho , a tempos vinhamos questionandos sobre esses clandestinos...agora o certo é ir até os clientes deles e multar tbm ..pois a carne clandestina dele era mais barata pelo fato de não pagar nada de imposto ....PARABÉNS !!!!!
 
fernando jose santana em 12/07/2012 02:16:45
deixem o cara trabalhar, não esta roubando, isso so pode ser denuncia da concorrencia
que vende mais caro, antigamente ( não ha muitos anos atras ) tudo era abatido no
matadouro, não existia frigorifico e a carne depois de assada não faz mal a ninguem.
 
regis potter em 12/07/2012 01:15:56
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions