ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, DOMINGO  14    CAMPO GRANDE 24º

Capital

Acidentes são diários em rua de mão dupla que vira mão única na curva

Bruno Chaves | 31/08/2013 11:17
Carros enfrentam dificuldades para atravessarem curva estreita (Foto: Marcos Ermínio)
Carros enfrentam dificuldades para atravessarem curva estreita (Foto: Marcos Ermínio)

Uma curva na Rua Felipe Camarão, próximo ao entroncamento com a Rua Araújo Lima, no Parque Dallas, em Campo Grande, é tão “apertada” que só uma caminhonete passa pelo local. Os acidentes na curva são constantes e os motivos apontados por motoristas e moradores são a largura da curva e a alta velocidade dos veículos, além de sinalização inadequada.

No local, de acordo com a aposentada e estudante de Direito Sônia Cristina Lima Pires, 51 anos, que mora ao lado da curva, as placas de trânsito foram derrubadas e roubadas. Para os motoristas, a única informação é a sinalização horizontal.

Quem trafega na Rua Felipe Camarão, sentido Avenida Três Barras/Avenida Interlagos, não percebe ou ignora uma seta pintada no asfalto que obriga o motorista a fazer conversão a direita, ou seja, sem a placa de “Sentido Proibido” todos os motoristas seguem a diante na curva, que, teoricamente, não é mão dupla.

“Não tem lógica. Uma quadra é de mão única e o restante é de mão dupla. Só confunde”, afirma o arquiteto Carlos Charbel, 29 anos, que mora na Rua Araújo Lima e passa pelo local todos os dias.

Ele ainda conta que o local é perigoso, já que “a pessoa entra com tudo e acaba pegando a contramão na curva apertada, que mal cabem dois carros”. Para Carlos, a solução seria a instalação de um semáforo ou transformar o local em mão única.

Sônia é umas das moradoras da região que mais enfrentam dificuldades com a situação. Ela conta que no início da manhã, quando precisa sair de casa, é preciso tirar o carro da garagem com a mão na buzina para fazer muito barulho.

“É o jeito. Preciso alertar que vem na rua. Meu medo é de um motociclista bater no meu carro e morrer. Eles passam voando por aqui e direto tem acidente Está muito perigoso e posso matar alguém”, se queixa.

Moradora mostra a curva e a dificuldade em atravessá-la (Foto: Marcos Ermínio)
Moradora mostra a curva e a dificuldade em atravessá-la (Foto: Marcos Ermínio)
Para arquiteto, umas das soluções seria transformar a rua em mão única (Foto: Marcos Ermínio)
Para arquiteto, umas das soluções seria transformar a rua em mão única (Foto: Marcos Ermínio)

A moradora ainda disse que nos horários de pico, início da manhã e início da noite, a situação se agrava. Em poucos minutos que a reportagem permaneceu no local era possível perceber a imprudência, velocidade e cara de espanto dos motoristas, de carros, motos e caminhões.

“Já pensei em até convidar o prefeito e a primeira dama para dormirem aqui em casa e perceberem que está perigoso”, comentou Sônia ao dizer que já procurou ajuda na Prefeitura de Campo Grande e na Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito) para que uma solução para a curva apertada seja encontrada.

O empresário Ronan Bérgamo Teixeira, 32 anos, também mora na Rua Felipe Camarão, bem na curva perigosa. Ele disse que o local é palco para frequentes acidentes, principalmente envolvendo motociclistas.

“Duas vezes bateram na minha casa, mas eu não estava. Os motociclistas esquecem e quando da de frente com o carro ou caminhão, ele se joga na calçada. Meu portão está amassado por causa disso. Hoje mesmo aconteceu um acidente lá”, disse.

Ronan também afirmou que já procurou a Agetran e a Câmara de Vereadores para que a rua seja transformada em mão única, mas até agora as reivindicações não foram atendidas.

A reportagem procurou a assessoria de imprensa da prefeitura para conversa acerca da situação, mas as ligações não foram atendidas.

Nos siga no Google Notícias