A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

12/04/2012 09:59

Adolescente que feriu agente e fugiu de unidade seria solto nesta 5ª feira

Aline dos Santos e Nadyenka Castro

Ele escapou pelo telhado, burlando as grades e a cerca elétrica do sobrado

Unidade de semiliberdade fica localizada no bairro Sílvia Regina. (Foto: Minamar Júnior). Unidade de semiliberdade fica localizada no bairro Sílvia Regina. (Foto: Minamar Júnior).

O adolescente de 16 anos que fugiu após ferir um agente na unidade educacional de semiliberdade Tuiuiú, em Campo Grande, já tinha alvará de soltura expedido e deixaria o local nesta quinta-feira pela porta da frente.

Contudo, horas depois de ser flagrado fumando maconha com outros colegas, agrediu o inspetor educacional Delmário Guimarães de Araújo, e fugiu pelo telhado, burlando as grades e a cerca elétrica do sobrado, no bairro Sílvia Regina.

A agressão foi por volta das 21h. Após a atividade religiosa, os agentes estranharam o silêncio e fizeram a ronda de rotina. Ao entrar no alojamento, o agente foi agredido com um pedaço de madeira que o adolescente retirou da cabeceira da cama.

Ele sofreu um corte na testa e ferimento no braço. O agente é inspetor educacional há 10 anos. Delmário foi levado pelo Corpo de Bombeiros ao Prontomed e já teve alta.

De acordo com os outros funcionários, o alojamento tinha cheiro de entorpecente. Após a agressão, o rapaz passou por um buraco na laje, fugindo pelos telhados dos imóveis vizinhos. O adolescente estava sozinho no alojamento, pois os outros três colegas de quarto estavam na escola.

De acordo com o diretor Ataliba Ferreira Júnior, o rapaz já sabia que seria solto em breve e sempre questionava quando deixaria a unidade de semiliberdade. “Acho que ficou com medo do flagrante e fez isso”, avalia o diretor. O alvará de soltura chegou ontem à noite. Conforme os agentes, o ataque foi de repente, quando a maioria das luzes da casa já estava apagada.

O agressor se tornou um adolescente infrator aos 11 anos, quando esfaqueou um colega de escola. Ele foi internado devido à tentativa de homicídio. Em 2010, fugiu da unidade educacional de semiliberdade. Com ordem da Justiça, ele se reapresentou e voltou para o semiaberto. Na unidade, ele não tinha mau comportamento. Calado, preferia ficar afastados dos outros internos. Nos últimos tempos, vivia perguntando quando iria sair.

Agora, o juiz será informado da agressão e fuga, o que deve levar à revogação do alvará de soltura. Da confusão ocorrida na noite de ontem, sobraram marcas de sangue pelo piso e calçada do imóvel, que eram lavadas na manhã de hoje por dois adolescentes.

A unidade educacional de semiliberdade tem 12 adolescentes, sendo a capacidade para 14 pessoas. O local já chegou a ter 16 internos. Ao dar entrada na unidade, eles são matriculados automaticamente na escola. Em outra frente, a direção e familiares buscam oportunidade de emprego para os rapazes.

O semiaberto recebe os adolescentes em três situações: quando o juiz avalia que a internação e regime fechado é desnecessária, como medida de progressão de pena ou regressão quando o adolescente que está em liberdade assistida descumpre alguma norma.

“Temos que estar sempre controlando”, afirma o diretor Ataliba Ferreira Júnior. (Foto: Minamar Júnior)“Temos que estar sempre controlando”, afirma o diretor Ataliba Ferreira Júnior. (Foto: Minamar Júnior)

Na primeira quinzena de internação, eles podem receber visitas da família. Depois desse período, os adolescentes vão para a casa aos fins de semana. Assistentes sociais acompanham o comportamento dos menores de idade na escola e também no ambiente familiar.

“Temos que estar sempre controlando”, afirma o diretor. Ele relata que a maioria dos adolescentes tem baixa escolaridade e não tinha limites dentro de casa. “É uma idade complicada. Eles não querem cumprir regras”, afirma.

Reclamações - No entorno da unidade, no bairro Silvia Regina, os moradores afirmam que se sentem incomodados, contudo, até ontem, não tinha acontecido nenhum fato de gravidade.

“Até ontem era calmo. A gente sabe que a presença deles é arriscada. Acho que não deveria ter, por ser um bairro de família”, afirma o aposentado José de Lima, de 61 anos.

A estudante Aline dos Santos, de 23 anos, conta que assinou o abaixo-assinado para que a unidade saia do bairro. “Eles sabem a rotina dos moradores e podem passar para outras pessoas”, relata. Outra reclamação da jovem é que eles ficam na sacada do prédio, mexendo com os pedestres.

O aposentado José Garcia, de 84 anos, também questiona a unidade educacional na vizinhança. “Os meninos não interferem na minha vida. Mas isso aqui é um bairro familiar”, afirma.

Agente é ferido durante fuga de adolescente infrator de Unei
Um adolescente de 16 anos feriu um agente da Unidade Educacional de Semi Liberdade (UESL) Tuiuiú, na noite desta quarta-feira (11), durante uma fuga ...
Com inspiração japonesa, luzes vão iluminar compras no Centro
Iluminação especial passa a ser adotada, nesta quarta-feira (13), na região central de Campo Grande. Dezesseis estruturas de alumínio, com lâmpadas d...


Infelizmente existem pessoas que ainda não passaram por uma situação extrema como essa pra achar que o usuário e o traficamente são seres humanos, isso posso dizer, que eram e podem voltar a ser, desde que tratados, mas do jeito que estão não existe solução, a maldade esta latente, tanto aqui para os trabalhadores das medidas como para a população que acha de ficar só criticando pequenas coisas
 
Delmario Guimaraes de Araujo em 14/04/2012 11:28:16
A preocupação em defesa da situação desses infratores deixa uma brecha para um bom conselho: "Está com pena deles? Adote um." Quem sabe ele, num dia após cheirar, fumar e orar mate a família quase toda.
 
Ezio José em 12/04/2012 12:35:35
Certamente que, nós, dos Direitos Humanos nos preocupamos com o adolescente e com o Delmário. A preocupação maior fica por conta de pessoas como o senhor Diego Vasconcelos que, parece-nos estar desconsiderando e discriminando os humanos. Isto é preocupante! Já é hora dos desinformados pararem de achar que pessoas que se dedicam a defesa dos direitos humanos só pensam nos criminosos.
 
Marco Aurélio em 12/04/2012 12:24:25
Não é preconceito, Sra. Katiuscia. Infelizmente é medo e senso de REALIDADE.

Fique atenta para o fato de que, se o amor e/ou a educação falharem, e o menor matar, estuprar, roubar, sambar na cara da sociedade e ETC, a justiça também será falha, afinal NEM CRIME MENOR NO BRASIL COMETE. Por pior que seja a desgraça, é ato infracional.
É tanto AMOR que deixa a justiça ainda mais cega.
 
Madalena Sortioli em 12/04/2012 11:36:36
Enquanto isso, a Superintendência de Assistência Sócioeducativa finge que não viu nada. "Observação ao CGN: Art.5º-IV, da Constituição Federal: “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato”
 
Diego Vasconcelos em 12/04/2012 11:18:36
A nossa sociedade deveria ser menos preconceituosa e uma unidade de atendimento semi aberto... e nao um presidio federal .... criticar querer mudar a lei sao grandes erros dessa sociedade preconceituosa... menor deve ser tratado como menor educação e amor sao grandes fatores para que nao se tornem infratores....agora as uneis terao atendimento para os depedentes quimicos
 
katiuscia ferreira `Psicopedagoga e Psicanalista do Adolescente em 12/04/2012 11:09:59
Certamente o pessoal dos Direitos Humanos estão preocupados se o adolescente se feriu quando saiu pelo telhado, se não se machucou!
 
Diego Vasconcelos em 12/04/2012 10:24:00
vou falar serio hemmm!!!! cade os direitos humanos para dar assistecia a esse agente ferido e sua familia....outra, o agente de medidas socio educativas esta abandonado e nao tem com quem contar essa e a verdade!!!!!!!!!
 
flavio machado silva em 12/04/2012 08:59:00
Eu gostaria de pedir a sociedade como um todo, organizada ou não, que parasse de ser hipócrita e assuma sua parcela de culpa com relação essa parcela de jovens em conflito com a Lei, pois eles são o produto final do lixo da sociedade, e agora queremos colocar o lixo debaixo do tapete?
 
Jose fagundes da silva em 12/04/2012 05:22:35
Infrator desde os 11 anos; reincidente em fugas... alguém acredita em sua regeneração? Nada mais certo que a sabedoria popular que diz: "pau que nasce torto nunca endireita e até a cinza fica torta".
 
Adriano Roberto dos Santos em 12/04/2012 03:10:11
cont. do com. acima. Meu amigo Marco Aurélio a sociedade ficaria muitissimo grata se vcs dedicassem um pouco do precioso tempo d vcs e tbm olhassem pelo trabalhador que q paga religiosamente seus impostos e é tão massacrado pelo poder público em vez de fazerem tantas visitas em instituições prisionais deem uma passada d vez em quando nos postos d saude e hospitais públicos vcs irão se surpreender
 
donizete canale em 12/04/2012 02:57:40
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions