ACOMPANHE-NOS    
MAIO, QUINTA  26    CAMPO GRANDE 22º

Capital

Alerta de vírus é só "rotina", porque surto foi controlado, esclarece prefeitura

Trata-se apenas de nota técnica, mas vírus da mesma família do ebola já foi controlado no continente africano

Por Guilherme Correia | 04/10/2021 09:43
Alerta emitido pela Sesau é procedimento padrão. (Foto: Reprodução/Prefeitura de Campo Grande)
Alerta emitido pela Sesau é procedimento padrão. (Foto: Reprodução/Prefeitura de Campo Grande)

A Prefeitura de Campo Grande emitiu uma nota técnica neste sábado, a respeito de cuidados que equipes médicas deveriam ter em casos suspeitos ou confirmados do vírus de Marburg, uma variante do ebola. No entanto, esse documento não indica perigos iminentes à população campo-grandense, reforça o município.

De acordo com a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde Pública), trata-se de um comunicado de rotina, feito pelo Cievs (Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde) sempre que algum novo vírus surge no mundo.

Em agosto, essa doença atingiu centenas de pessoas em países africanos, além de um óbito registrado em Guiné, mas desde então, passou a ser controlada por meio de vacinas contra o ebola. Vale lembrar que, até o momento, não há confirmações no Brasil, tampouco em quaisquer países da América Latina, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde).

Marburg - O vírus foi identificado pela primeira vez em 1967 e em 2021, a OMS confirmou surto da doença do vírus de Marburg no sudoeste da Guiné, incluído uma morte pelo vírus. Em 16 de setembro de 2021 foi decretado o fim do surto.

A clínica da doença começa abruptamente, com febre alta, dor de cabeça severa e mal-estar grave. As dores musculares são uma característica comum. Já a diarreia severa, dor abdominal e cólicas, náuseas e vômitos podem começar no terceiro dia.

Os profissionais de saúde que cuidam de pacientes suspeitos ou confirmados devem aplicar precauções específicas, descritas em nota da Sesau.

Manipulação do vírus em laboratório. (Foto: Agência Brasil)
Manipulação do vírus em laboratório. (Foto: Agência Brasil)


Nos siga no Google Notícias