ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUARTA  21    CAMPO GRANDE 25º

Capital

Ambulante chegou às 3h, mas vendas não "bombam" durante o desfile

Da chipa ao espetinho, desfile é chance de renda extra para os vendedores ambulantes

Adriano Fernandes e Caroline Maldonado | 28/08/2022 10:16

Campo Grande News - Conteúdo de Verdade
Venda de espetinhos durante o desfile deste domingo (28). (Foto: Henrique Kawaminami) 
Venda de espetinhos durante o desfile deste domingo (28). (Foto: Henrique Kawaminami)

Opção de lazer para quem quer sair da rotina no domingão o Desfile Cívico também é oportunidade para quem quer faturar. E quem depende das vendas teve de madrugar neste domingo (28), para garantir o melhor lugar no evento em celebração aos 123 anos de Campo Grande.

Acompanhada do pai a vendedora Ingrid Rodrigues da Silva, de 31 anos, chegou às 3h na esquina da Rua 13 de Maio com a Avenida Afonso Pena, mas admite que o movimento não tem correspondido com a expectativa. Ela está vendendo bebidas e espetinho a R$ 6,00.

“Não espero vender muito porque até agora o movimento está bem fraco. Acho que é porque é final de mês e também por pouca divulgação. Nos anos anteriores essa hora já estava bem mais lotado”, disse logo após o início do desfile.

Izeni foi para o desfile com estoque de 600 chipas e pães de queijo. (Foto: Henrique Kawaminami) 
Izeni foi para o desfile com estoque de 600 chipas e pães de queijo. (Foto: Henrique Kawaminami)

Quem também apostou no espetinho a R$ 5,00 e reclama do movimento fraco é o vendedor Marcio Soares, de 36 anos. “Antigamente era melhor. Só quem queria muito vir, veio”, conta relembrando outras edições do evento. Durante a pandemia, Márcio começou a trabalhar de carteira assinada em uma conveniência, mas não deixou de lado o ofício como vendedor ambulante.

Há 10 anos que a renda extra vendendo espetinho em eventos e no Bairro Progresso ajuda e muito no fechamento das contas no final do mês.

Já a especialidade da vendedora Izeni Menino de Oliveira, de 56 anos, é a iguaria queridinha do campo-grandense: a chipa. “É o nosso meio da sobrevivência. Eu vendo no Centro há 18 anos e tenho uma ‘portinha’ no Jardim Itamaracá na frente da minha casa”, conta. O preparo das 600 unidades de chipa e pão de queijo que ela, o marido e a filha levaram para o desfile começou às 23h de ontem. Izeni mal dormiu durante, mas acredita que o esforço vai valer a pena. “Apesar de a matéria prima estar cara vale à pena vir aqui hoje por conta da quantidade de vendas”, conclui.

Vendedora de algodão doce também aproveitou para faturar durante o desfile. (Foto: Henrique Kawaminami) 
Vendedora de algodão doce também aproveitou para faturar durante o desfile. (Foto: Henrique Kawaminami)


Nos siga no Google Notícias