ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, QUINTA  04    CAMPO GRANDE 20º

Capital

Ao menos 300 pessoas são examinadas e 1 sai do aeroporto para quarentena

Desde a manhã de hoje, para deixar aeroporto, passageiros e tripulantes têm de passar com teste e responder perguntas

Por Anahi Zurutuza | 30/03/2020 19:02
Passageiros são "barrados" no desembarque para passar por exames rápidos e questionário (Foto: Henrique Kawaminami)
Passageiros são "barrados" no desembarque para passar por exames rápidos e questionário (Foto: Henrique Kawaminami)

Pelo menos 300 pessoas, entre passageiros e tripulantes, foram examinadas ao desembarcar no Aeroporto Internacional de Campo Grande nesta segunda-feira (30), quando foi colocada em prática barreira sanitária organizada pelo Governo de Mato Grosso do Sul a pedido da Prefeitura. Deste total, um homem, de 35 anos, assinou termo se comprometendo a ir do terminal direto para casa e procurar unidade de saúde para relatar sintomas percebidos antes da volta para a Capital.

O passageiro estava em voo vindo de São Paulo, estado brasileiro com o maior número de casos da Covid-19 (causada pelo novo coronavírus). Ele relatou estar com dor na garganta há três dias, mas não tinha febre, o principal sinal de alerta para a doença.

Por isso, foi orientado a ir direto para casa, se recolher em quarentena, e só sair para procurar uma unidade de saúde para informar os sintomas e ser testado para o novo vírus. “Ele assinou o nosso Termo de Compromisso de Apresentação Obrigatório ao Serviço de Saúde e recebeu orientações sobre o trato doméstico a partir de agora”, explica o coronel do Corpo de Bombeiros, Hugo Djan, um dos responsáveis pela barreira sanitária no aeroporto.

O militar conta ainda que todos os passageiros e tripulações foram solícitos. “Os passageiros estavam muito tranquilos, duas senhoras até comentaram que passaram por dois aeroportos e não viram tal medida de segurança”.

O aeroporto é um dos 14 locais em Mato Grosso do Sul onde foi instalada barreira sanitária pelo governo do Estado. Lá, trabalham na fiscalização a PM (Polícia Militar), a PF (Polícia Federal), o Corpo de Bombeiros e as vigilâncias municipal e estadual.

A equipe está pronta para transportar pacientes com suspeita da doença direto a hospitais caso seja necessário.