ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
DEZEMBRO, SÁBADO  02    CAMPO GRANDE 34º

Capital

Após morte de peixes, governo rescinde contrato de R$ 5,2 milhões

Aline dos Santos | 30/06/2015 08:06
Projeto "quarentena" mantem peixes em galpões e a sete chaves. (Foto: Marcos Ermínio)
Projeto "quarentena" mantem peixes em galpões e a sete chaves. (Foto: Marcos Ermínio)

Após morte de 83% dos animais, o governo do Estado rescindiu contrato com a empresa Anambi (Análise Ambiental Ltda), que era responsável pela manutenção dos peixes que vão povoar o Aquário do Pantanal. O contrato de R$ 5.215.499,36 foi firmado em junho do ano passado.

Por meio de nota, a administração estadual informou que “em virtude do atraso na conclusão da edificação do Centro de Estudos e Pesquisas da Ictiofauna Pantaneira (Cepric) do Aquário do Pantanal, que estava previsto para novembro de 2015 e não há data precisa para a transferência dos peixes da quarentena para o referido centro, o Governo do Estado decidiu pelo encerramento do projeto de pesquisa científica “Biodiversidade para todos: da água à popularização da ciência e proteção da vida por meio do Aquário do Pantanal”.

Ainda de acordo com a assessoria de imprensa do governo, relatório de especialistas do Cepta (Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Peixes Continentais) e da Unesp (Universidade Estadual de São Paulo)/campus Jaboticaba apontam que as recomendações técnicas previstas no edital não foram totalmente atendidas.

O Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul) vai assumir a a manutenção dos peixes até que a obra, em execução nos altos da avenida Afonso Pena, em Campo Grande, seja concluída.

A orientação é que os peixes existentes sejam mantidos nos tanques da quarentena do Aquário até a conclusão do Centro de Pesquisa ou entregues à instituições de ensino e pesquisa. A nota não informa o valor do contrato e nem a quantidade de peixes que sobreviveram.

Sete chaves - Os peixes são mantidos a “sete chaves” em galpões na sede da PMA (Polícia Militar Ambiental), na Capital. O Campo Grande News esteve no local na última quarta-feira, mas não conseguiu entrar. Na ocasião, não havia biólogos no local, apenas funcionários que cuidam da parte técnica, como a manutenção dos filtros e sistema de aquecimento da água.

Conforme relatório da empresa Anambi, responsável pelo manejo das espécies, 83% dos peixes comprados pelo governo passado foram perdidos por conta do frio. Desde novembro de 2014, 10.160 peixes morreram.

O MPE (Ministério Público Estadual) abriu inquérito para apurar irregularidades envolvendo o licenciamento ambiental da obra, a captura, o manejo e a guarda das diversas espécies.

Nos siga no Google Notícias