ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, DOMINGO  25    CAMPO GRANDE 22º

Capital

Aquário do Pantanal vai passar por perícia da Justiça nesta 3ª feira

Serão verificados o serviços executados no sistema de suporte à vida, cenografia e iluminação

Aline dos Santos | 14/08/2018 08:35
Aquário do Pantanal é construído na avenida Afonso Pena, em Campo Grande. (Foto: Luiz Diniz)
Aquário do Pantanal é construído na avenida Afonso Pena, em Campo Grande. (Foto: Luiz Diniz)

O Aquário do Pantanal vai passar por perícia judicial na tarde desta terça-feira (dia 14). A inspeção foi determinada no processo em que o MP/MS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) denunciou o ex-secretário estadual de Obras, Edson Giroto, e empresas por fraudes.

Em 2016, o Ministério Público fez a denúncia de improbidade administrativa, apontando que foi forjada dispensa de licitação para contratar a empresa Fluidra por preço superfaturado.

O serviço de filtragem para suporte aos peixes que povoariam o Aquário teve cotação entre R$ 6 milhões e R$ 8,6 milhões, mas o valor do contrato foi de R$ 17,2 milhões.

A perícia foi solicitada por Giroto, atualmente preso em decorrência da operação Lama Asfáltica, realizada pela PF (Polícia Federal). Somente no processo por improbidade administrativa relativa ao Aquário do Pantanal, o bloqueio de bens chega a R$ 140 milhões. 

A perícia foi determinada pelo juiz da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande, David de Oliveira Gomes Filho. Conforme o magistrado, serão verificados o serviços executados no sistema de suporte à vida, cenografia e iluminação. A análise também se estende sobre o que já foi pago e o que falta fazer.

O Ministério Público aponta superfaturamento e que o serviço não teve licitação. Como a dispensa de licitação é permitida quando o serviço contratado é tão específico que somente uma empresa pode fazer, essa “prerrogativa” será verificada no local.

Histórico - O Aquário do Pantanal, cujo nome oficial é Centro de Pesquisa e de Reabilitação da Ictiofauna Pantaneira, foi planejado para ter 24 tanques, somando um volume de água de aproximadamente 6,2 milhões de litros e 12.500 animais subdivididos em mais de 260 espécies.

Em fevereiro de 2011, na gestão do governador André Puccinelli (MDB), a Egelte Engenharia venceu licitação por R$ 84 milhões para construir o Aquário na avenida Afonso Pena, em Campo Grande.

No ano de 2014, a construção foi repassada em subempreita para a Proteco Construções. Gravações da operação Lama Asfáltica, realizada pela PF (Polícia Federal), apontam uma frenética negociação para que a obra trocasse de mãos e ganhasse aditivo de R$ 21 milhões, o máximo previsto pela Lei de Licitações.

Em 2016, a obra voltou para a Egelte, mas não caminhou. O contrato foi rompido e a segunda colocada recusou. Sem o Aquário, peixes ficam no galpão da PMA (Polícia Militar Ambiental).

O governo busca na Justiça aval para contratar duas empresas e gastar R$ 38,7 milhões com dispensa de licitação para concluir a obra. Uma liminar determina que o empreendimento seja licitado.

Nos siga no Google Notícias