ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, TERÇA  23    CAMPO GRANDE 31º

Capital

Armadilhas capturaram 200 ovos da Aedes Aegypti a cada 300 m² no Piratininga

Agentes de endemia inspecionaram casas e terrenos baldios na região, na manhã deste sábado (10)

Por Idaicy Solano e Ana Beatriz Rodrigues | 10/02/2024 10:29
Terreno baldio vistoriado no Bairro Piratininga tinha sofá e até vaso sanitário exposto (Foto: Marcos Maluf)
Terreno baldio vistoriado no Bairro Piratininga tinha sofá e até vaso sanitário exposto (Foto: Marcos Maluf)

Armadilhas chamadas de ovitrampas, utilizadas para capturar ovos de mosquitos da Aedes Aegypti – transmissor da dengue, zika e chikungunya – capturaram cerca de 200 ovos a cada 300 metros quadrados na região dos Bairros Piratininga e Parati. Pela quantidade, é possível perceber o risco da população.

A armadilha, que serve para monitorar o índice de infestação do mosquito, e o aumento na notificação de casos suspeitos na região, levou 25 agentes de endemia até as ruas para inspecionar casas e terrenos baldios na manhã deste sábado (10).

Durante a ação, foram recolhidos 22 pneus em via pública ou armazenados de maneira irregular em residências, além do recolhimento de garrafas de plástico, potes de sorvete, embalagens de marmita e lixo doméstico em geral, descartado ou recolhido de forma incorreta.

A reportagem acompanhou a fiscalização na casa da aposentada Maria Moreira Gomes, 74, na Rua Anhumas. Durante a fiscalização, não foram encontrados focos potenciais dos mosquito, mas como Maria possui cachorro e muitas plantas no quintal, foi feita a orientação para prevenção.

Agente de endemias Marlene faz a vistoria de plantas em quintal da casa de Maria (Foto: Marcos Maluf)
Agente de endemias Marlene faz a vistoria de plantas em quintal da casa de Maria (Foto: Marcos Maluf)

De acordo com a agente de endemias Marlene de Oliveira Santos, os comedouros dos animais devem ser lavados com frequência, utilizando água, sabão e água sanitária. No caso das plantas, é necessário cuidar para que os vasos não acumulem água. “Um ovo do mosquito, por exemplo, pode passar cerca de um ano grudado em uma superfície, e no primeiro contato com a água, prolifera”, explica.

O próximo endereço vistoriado foi um terreno baldio, na mesma rua. Os agentes encontraram no local copos descartáveis, embalagens de marmita, garrafas de vidro e um vaso sanitário. A supervisora da ação, Elaine Pereira, explica que, nestes casos, é feita a vedação do objeto, já que não há como os agentes retirá-lo. Pelas características do terreno, a supervisora acredita que havia uma casa, que foi demolida.

“Nesses casos de terreno baldio, o agente de endemias faz o recolhimento das coisas que podem proliferar e notifica a Secretaria de Saúde sobre o terreno, porque pode ser necessário outra fiscalização, de uma secretaria maior, para acionar o dono do terreno para limpar”, diz.

Várias unidade de garrafas de vidro foram encontradas no terreno baldio, além de diversos outros objetos que acumulam água (Foto: Marcos Maluf)
Várias unidade de garrafas de vidro foram encontradas no terreno baldio, além de diversos outros objetos que acumulam água (Foto: Marcos Maluf)

A ação - Os agentes irão realizar a inspeção na manhã deste sábado (10), e nos dias 12 e 13 de fevereiro.

As equipes vão realizar o trabalho manejo e bloqueio, que consiste na identificação e eliminação de focos e potenciais criadouros do mosquito. Os agentes também vão percorrer as residências e comércios locais, para fazer a orientação dos moradores sobre as medidas de prevenção e eliminação do Aedes aegypti.

No início de janeiro deste ano, foi feita fiscalização na região. Na época foi vistoriado 464 imóveis, com 577 depósitos inspecionados, e 322 deles eliminados.

Casos notificados - De 1° de janeiro a 6 de fevereiro deste ano, foram notificados 816 casos de dengue e 1 de chikungunya em Campo Grande. Em 2023,  a Capital registrou 17.033 notificações de dengue e seis óbitos provocados pela doença. Foram notificados, de janeiro a dezembro de 2023, 92 casos de zika e 176 de chikungunya. O pico da doença foi registrado em abril, com mais de 3 mil casos notificados.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Confira a galeria de imagens:

  • Campo Grande News
  • Campo Grande News
  • Campo Grande News
Nos siga no Google Notícias