A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 16 de Dezembro de 2018

23/09/2015 19:30

Bernal quer discutir com a Solurb redução no pagamento da coleta do lixo

Paulo Yafusso
Prefeitura quer rever contrato com a Solurb, para diminuir pagamento pela coleta de lixo (Foto: Gerson Walber)Prefeitura quer rever contrato com a Solurb, para diminuir pagamento pela coleta de lixo (Foto: Gerson Walber)

O prefeito Alcides Bernal (PP) deve se reunir com a direção do consórcio CG Solurb ainda nesta quinta-feira (24) para discutir mudanças no contrato de concessão para o serviço de limpeza e coleta de lixo em Campo Grande. Segundo o secretário Municipal de Governo, Paulo Pedra, o objetivo é repactuar o valor dos pagamentos pelos serviços prestados pela empresa.

Segundo o secretário, o contrato prevê que o consórcio cumpra 15 itens, entre eles a limpeza, capina e coleta de lixo da Capital. Pelos serviços recebe entre R$ 7,5 milhões a R$ 12 milhões por mês, valor considerado muito alto pela administração municipal.

Pedra afirma que a Prefeitura ainda não tem definido que valor considera ideal para se pagar à CG Solurb. “Isso vai ser discutido na reunião que a gente pretende fazer amanhã (quinta-feira), mas a gente precisa reduzir esses valores”, afirmou. A Prefeitura acredita que com a repactuação do contrato, consiga reduzir pelo menos 30% nos pagamentos feitos à concessionária.

Uma das possibilidades que poderá ser negociado com a direção da CG Solurb para reduzir os pagamentos, é diminuir também o número de serviços que a concessionária é obrigada a cumprir por força de contrato. A CG Solurb informou que primeiro quer discutir o pagamento dos atrasados e que ainda não foi procurado para discutir a revisão contratual.

O consórcio venceu a licitação para realizar a varrição, pintura das ruas e coleta e destinação de todo o lixo produzido na Capital, por um período de 25 anos. O valor inicial previsto no contrato é de R$ 1,8 bilhão. A CG Solurb reclama que não recebeu pelos serviços prestados em junho e julho e já venceu o de agosto.

Por conta dessa dívida, que chega a R$ 23 milhões, ela estaria sem dinheiro em caixa para o pagamento dos 1.080 funcionários, que na semana passada fizeram greve e deixar de recolher o lixo da Capital. O consórcio ainda reclama que não recebeu nada pela construção da UTR (Usina de Tratamento de Resídios Sólidos), que não era de sua responsabilidade.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions