A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 18 de Outubro de 2019

06/08/2019 18:29

Capital testa ônibus de 15 metros fabricado como alternativa a articulados

Consórcio terá 30 dias para avaliar veículo e descarta comprá-lo já neste ano. Fabricante mandará coletivo para outras capitais

Gabriel Neris e Clayton Neves
Veículo aguarda entrada de passageiros no Terminal General Osório (Foto: Paulo Francis)Veículo aguarda entrada de passageiros no Terminal General Osório (Foto: Paulo Francis)

Ônibus de 15 metros está circulando desde o fim de semana pelas ruas de Campo Grande como teste e pode ser alternativa aos articulados do transporte coletivo. O veículo da Marco Polo e Volvo foi cedido ao Consórcio Guaicurus e deve rodar pela cidade durante 30 dias.

Segundo o presidente do consórcio, João Rezende, a empresa avaliará neste período o custo com o consumo e desempenho do veículo, porém descarta compra-lo ainda neste ano, mas avalia a possibilidade para adquiri-lo em 2020. O ônibus, chamado de alongado, conta com capacidade para 114 passageiros, e custa cerca de R$ 400 mil, enquanto o articulado gira em torno de R$ 1 milhão.

“Esse tem mais mobilidade que o próprio articulado, menos dificuldade de locomoção”, diz o presidente do Consórcio Guaicurus.

Ônibus alongado tem 15 metros e capacidade para 114 passageiros (Foto: Paulo Francis)Ônibus alongado tem 15 metros e capacidade para 114 passageiros (Foto: Paulo Francis)

Campo Grande é a primeira cidade a receber o teste, que deve seguir futuramente por Cuiabá, Goiânia e Florianópolis. A linha disponibilizada para o “caráter demonstrativo” é a 087, que faz o trecho entre os terminais Guaicurus e General Osório. Atualmente, a Capital conta com 14 veículos articulados.

Os passageiros que precisaram do veículo no início da noite desta terça-feira (6) se mostraram surpresos com a novidade. A vendedora Daila de Jesus, de 52 anos, diz que pega de quatro a seis ônibus por dia e leva cerca de 40 minutos em cada um. “A principal demanda é aumentar a quantidade de veículos, principalmente às linhas mais cheias de acesso ao Centro”, diz a mulher.

O estudante Diego Felipe, de 16 anos, conta que também necessita de quatro ônibus por dia. Ele avalia que são necessários mais assentos, mas elogiou a estrutura do ônibus que passa por teste. Já Paulo Maciel, de 29 anos, ainda reclama do preço cobrado. “Quatro reais são absurdos. Precisa de mais ônibus”, diz.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions