A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

31/08/2014 14:30

Cartões postais da cidade, relógios param e moradores reclamam

Alan Diógenes
Símbolo de democracia e emancipação política de Campo Grande, Relógio da 14 está desativado. (Foto: Marcelo Calazans)Símbolo de democracia e emancipação política de Campo Grande, Relógio da 14 está desativado. (Foto: Marcelo Calazans)

Dois relógios considerados ícones turísticos de Campo Grande estão desativados e a população cobra uma resposta por parte da administração municipal sobre o funcionamento dos mesmos. Um deles é o antigo e tradicional Relógio da 14, atualmente localizado na avenida Afonso Pena com a Calógeras. O outro é o Relógio das Flores, que fica na avenida Duque de Caxias com a Lúdio Martins Coelho.

O Relógio da 14, inaugurado em 1933, foi demolido na década de 1970, mas reerguido como réplica em 1999 na avenida Afonsa Pena com a Calógeras. O relógio foi retirado em julho deste ano para ajustes e apenas a estrutura de tijolos ainda permanece no lugar. O fato revolta as pessoas que passam pelo local, olham para cima e não encontram o relógio que simboliza a democracia e a emancipação política da Capital.

Para a dona de casa Ana Maria da Silva Rodrigues, 53 anos, que mora em Campo Grande há 16 anos, a desativação do relógio é um descaso do Poder Público com a população campo-grandense que prioriza o patrimônio cultural da cidade. “Quando cheguei aqui o relógio era bem mais bonito. Eles não podem deixar de cuidar de um monumento que faz parte da história da cidade”, comentou.

O empresário Edemir Sebastião Carneiro, 74, se revolta ao falar que a gestão municipal deveria encontrar uma forma de fazer o relógio funcionar. “Isso é uma pouca vergonha e um relaxismo por parte da prefeitura. Para mim esse relógio do jeito em que está só simboliza vergonha e a corrupção feita pelos governantes”, mencionou.

Segundo a secretária Brígida Guimarães, 33, os governantes "pecam" quando o assunto é resolver os problemas da cidade. “Desativar o relógio revela o descaso dos políticos com a sociedade e com a cultura da cidade. Se eles não arrumam nem um relógio que é uma coisa simples, imagina se irão arrumar o resto”, destacou.

 

Edemir falou que desativação de relógio é relaxismo por parte de governantes. (Foto: Marcelo Calazans)Edemir falou que desativação de relógio é "relaxismo" por parte de governantes. (Foto: Marcelo Calazans)
Sebastião acredita que dinheiro gasto com Relógio das Flores deveria ter sido usado em saude é segurança. (Foto: Marcelo Calazans)Sebastião acredita que dinheiro gasto com Relógio das Flores deveria ter sido usado em saude é segurança. (Foto: Marcelo Calazans)

Outro cartão postal da cidade, inaugurado em dezembro de 2012, mas que hoje também está desativado, é o Relógio das Flores, construído para fazer parte do paisagismo do Parque Linear Lagoa, em Campo Grande. O monumento que custou aos cofres públicos R$ 44,6 mil, já foi alvo de vândalos, passou por diversas reformas e hoje está “parado”.

O estudante Tales Duarte, 24, que passa pelo local todos os dias para ir ao trabalho, afirmou que não havia necessidade da construção do Relógio das Flores. “Se for para o relógio ficar parado como está, nem precisava ter sido feito. Para mim isso é dinheiro jogado fora”, apontou.

O argumento de Tales foi defendido pelo vendedor Sebastião Fernandes, 26. “O dinheiro gasto com o relógio poderia ter sido usado na saúde e na segurança da Capital, que estão precárias e ninguém faz absolutamente nada”, finalizou.

A prefeitura informou que o Relógio da 14 não foi desativado, apenas retirado para manutenção. Segundo o secretário de Administração Valtemir de Brito, ele não está funcionando porque ainda está passando por reparos. Para a conclusão da manutenção, a prefeitura ainda aguarda uma peça vinda do Estado de São Paulo, e o relógio deve voltar a funcionar em 15 a 20 dias. Sobre o Relógio das Flores, a prefeitura disse que ele está desativado porque foi depredado. O órgão só não soube informar qual é a previsão de funcionamento do relógio.

Relógio das Flores custou R$ 44,6 mil e não funciona por que foi depredado por vândalos. (Foto: Marcelo Calazans)Relógio das Flores custou R$ 44,6 mil e não funciona por que foi depredado por vândalos. (Foto: Marcelo Calazans)


Antes de dizerem que o poder público não importa com o bem patrimonial procurem se informar melhor. Pelo que eu sei, o Relógio da 14 tem um mecanismo muito especial dentro e nenhuma empresa no Brasil tem capacidade de fazer a manutenção. Então de tempos em tempos é preciso mandar o relógio pra fora do país para manutenção e isso leva um certo tempo. Se esse mecanismo não receber manutenção ele para e não funciona mais.
 
Willian Pereira do Couto em 31/08/2014 16:01:39
Relógio de flores?
Ou relógio de grama e mato... tentaram imitar relógios de outra cidade e fizeram esse ae bem mal feito...
podiam reformar e fazer algo descente.
 
Ygor Barbosa em 31/08/2014 15:04:55
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions