ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SÁBADO  24    CAMPO GRANDE 24º

Capital

Caso de pecuarista mostra que engasgo pode matar não só crianças e idosos

Médica Kellen Alves Teodoro explica que o engasgo leva a pessoa a ter uma parada cardiorrespiratória

Por Viviane Oliveira | 04/12/2023 12:37
Ricardo era convidado da festa de casamento, passou mal e não resistiu (Foto: reprodução / Facebook)
Ricardo era convidado da festa de casamento, passou mal e não resistiu (Foto: reprodução / Facebook)

No fim de semana, o caso do pecuarista Ricardo Lago Zaher, de 30 anos, que morreu engasgado, chamou atenção. Como uma pessoa tão jovem pode morrer por conta de um pedaço de carne? E o que fazer se presenciar caso semelhante? Ele era convidado de festa de casamento, no buffet Yoted, de Campo Grande, no Parque das Nações Indígenas, e não resistiu apesar de socorro.

Segundo a médica Kellen Alves Teodoro, emergencista do Hospital Santa Casa, quando for identificado o engasgo deve ser feita a manobra de Heimlich, procedimento de primeiros socorros para desobstruir vias aéreas bloqueadas. “Uma pessoa fica atrás do paciente e com a mão fechada e a outra aberta faz movimentos de compressão na região do estômago, até a eliminação do corpo estranho”, explicou. Enquanto isso, outro familiar deve acionar o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) pelo 192 e solicitar ajuda.

Médica falando sobre o assunto (Foto: reprodução / Santa Casa) 
Médica falando sobre o assunto (Foto: reprodução / Santa Casa)

A pressão criada pela manobra de Heimlich no estômago ajuda a deslocar o objeto pela garganta, liberando as vias aéreas. “As pessoas mais vulneráveis são as crianças e os idosos. Os idosos devido às próprias fragilidades da idade e comorbidade prévias com sequelas”.

Conforme a médica, neste ano, atendeu quatro casos de engasgo em idoso com evolução para parada cardiorrespiratória”.

Manobra de Heimlich salva vidas em caso de engasgo (Foto: reprodução) 
Manobra de Heimlich salva vidas em caso de engasgo (Foto: reprodução)

A maioria dos casos com engasgos, conforme a emergencista, são com carne, em geral, nos churrascos de família. “Dependendo das comorbidades do paciente, pode ser mais comum engasgo com alimentos mais sólidos”. Segundo a médica, a melhor forma para evitar engasgos é mastigar pausadamente e sem pressa.

Incidente - Sobre o caso do pecuarista Ricardo, o boletim de ocorrência registrado como morte a esclarecer não diz que o que o laudo verificou e se o pecuarista realmente morreu engasgado com carne. Mas segundo registro, foi esse o motivo apontado pelo Corpo de Bombeiros.

Os militares informaram à polícia que fizeram todos os procedimentos necessários de reanimação, durante 1 hora e 17 minutos, mas o pecuarista não resistiu. O óbito foi constatado às 19h05.

O corpo chegou a ser levado para a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) da Coronel Antonino, mas em seguida foi para o Imol (Instituto de Medicina e Odontologia Legal). Ainda de acordo com registro policial, não havia sinais de violência no cadáver. O rapaz foi velado e sepultado neste domingo no Parque das Primaveras.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias