A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 16 de Janeiro de 2018

21/05/2016 10:59

Centenas de pessoas caminham pela Afonso Pena em Marcha pela Vida

Luana Rodrigues e Antonio Marques
Segundo a organização, cerca de 900 pessoas participaram da marcha na manhã de hoje. (Foto: Organização)Segundo a organização, cerca de 900 pessoas participaram da marcha na manhã de hoje. (Foto: Organização)
Maria Regina Rodrigues Vieira, 61 anos, disse que participou da marcha, porque todos tem direito a vida. (Foto: Alcides Neto)Maria Regina Rodrigues Vieira, 61 anos, disse que participou da marcha, porque todos tem direito a vida. (Foto: Alcides Neto)

Centenas de pessoas se reuniram na manhã de hoje (21) na marcha a favor da vida e contra o aborto. A concentração teve início às 8h30, na Praça do Rádio e terminou por volta das 10h30, na praça Ary Coelho. O objetivo do movimento, que existe em todo o país, é chamar atenção da sociedade e do poder público sobre o aborto provocado, defendendo o Estatuto do Nascituro e a não legalização do aborto no Brasil.

Sob o tema “Como legalizar a morte se queremos a vida”, os fiéis marcharam da avenida Afonso Pena, percorreram as ruas 14 de Julho, Marechal Rondon, 13 de Maio e retornaram para a Avenida Afonso Pena.

Entre os participantes, havia vários grupos religiosos que pediam que os direitos dos bebês sejam respeitados desde a sua concepção. “O objetivo é conclamar a sociedade para cuidar dos bebês, que tem direito a vida desde que são concebidos, mas não são respeitados”, disse o professor Vitor Hugo Santana Rojas, 47 anos.

A aposentada Maria Regina Rodrigues Vieira, 61 anos, disse que participou da marcha, “porque acredito na vida e todos tem direito a ela, pois é dada por Deus”, afirmou.

No catolicismo o aborto é considerado um pecado de grave, sendo punido com a excomunhão imediata da igreja. Para o arcebispo metropolitano da Arquidiocese de Campo Grande, Dom Dimas Lara Barbosa, no Brasil falta infraestrutura voltada a gestante, políticas publicas em prol da família, do ponto de vista da própria criança, à vida humana. “A vida é o primeiro dos direitos humanos, todos os outros direitos humanos simplesmente deixam de fazer sentido se esse deixar de ser respeitado, por isso estamos nessa luta”, disse Dom Dimas.

O evento é organizado pelo Comitê Sul-Mato-Grossense de Cidadania Brasil sem Aborto e tem o apoio de diversos grupos sociais, e não religiosos, sem qualquer vinculação política. Segundo a organização, cerca de 900 pessoas participaram da marcha na manhã de hoje e essa já é a terceira realizada no Estado.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions